Semeando esperanças

Programa de Ação Socioeducativa na Comunidade usa horta como dispositivo pedagógico para falar sobre meio ambiente, alimentação e cidadania

RENATA CARDOSO

Existem hortas de diversas formas e tamanhos, com diferentes alimentos, ou, em alguns casos, um único tipo de vegetal. Mas, são poucas as hortas que cultivam um futuro melhor. No Programa de Ação Socioeducativa na Comunidade (Pasec), além de colher temperos, chás, alface, repolho e muitas outras hortaliças, se semeia a esperança de uma realidade mais cidadã e menos dura para as crianças e adolescentes que participam da iniciativa. De acordo com o coordenador do Pasec, Gelson Fiorentin, as atividades do projeto são desenvolvidas por meio da Horta Mãe-da-Terra: educação ambiental e cidadania, que funciona como uma ferramenta pedagógica. “Além dos participantes semanais, realizamos oficinas e mutirões com os responsáveis pelas crianças e adolescentes. É importante ressaltar que todo o inscrito recebe uma visita domiciliar dos técnicos”, comenta.

Em 2018, 15 estagiários da Unisinos realizaram atividades no Pasec. Uma delas foi Débora Fortes de Souza, que está nos últimos semestres do curso Serviço Social. Trabalhar com pessoas fazendo a diferença com ações efetivas na sociedade foi o grande motivo que levou a estudante a fazer o estágio no local.

[PASEC Crédito: Juliana Borgmann

“Atuar em uma comunidade é muito gratificante, pois trabalhamos com uma proposta realmente importante para o público atendido. Estar nessa realidade foi muito significativo para minha formação, pois, ao longo do curso, eu não fiz outros estágios, então, conhecia bem mais o teórico do que o prático”, explica. Para a estudante, foi preciso se reinventar durante o percurso, para tentar atender às necessidades de um público diverso. “Cada criança tem uma realidade e uma demanda diferente. Como somos um serviço de convivência e fortalecimento de vínculos, tentamos fazer tudo o que está ao nosso alcance para resolver essas demandas”, comenta.

Segundo Débora, realizar a atividade prática mudou seu ponto de vista em muitos aspectos, proporcionando uma ampliação da visão de mundo, ao perceber de maneira mais literal as diferentes realidades. “Não queremos ser só uma atividade, mas um ponto de confiança para essas crianças. Queremos mostrar para elas que existe um mundo lá fora, com várias coisas que elas podem alcançar”, enfatiza.

O cuidado é um dos pontos centrais do projeto. Ao trabalhar literalmente com as mãos na terra, plantando, cuidando e colhendo, as crianças aprendem uma série de assuntos, que vão desde a importância de não jogar lixo na rua até a segurança alimentar. “Muitos usam os produtos na própria alimentação em casa, além de levar os conhecimentos daqui para a família. Também desenvolvemos outras atividades, pensando na educação cidadã a partir de vários temas”, conta a estudante.

Para Gelson, o Pasec possibilita uma importante vivência dos acadêmicos com comunidades em situação de vulnerabilidade social, proporcionando uma visão mais próxima da realidade.  Além disso, a atuação em um grupo multidisciplinar, que busca a execução de suas atividades visando a interdisciplinaridade, é um dos diferenciais do projeto, que faz com que os estudantes conversem com outras áreas e se complementem em suas atividades. “O acadêmico que passa pelo Programa será um profissional diferenciado no mercado de trabalho. Também, pode-se destacar o crescimento dos estudantes na elaboração de relatórios e participação em eventos científicos”, garante o coordenador.