Pela primeira vez em águas brasileiras

Navio Joides Revolution tem viagem para o Brasil programada para junho de 2020

MICHELLI MACHADO

O Brasil faz parte do consórcio de países membros do International Ocean Discovery Program (IODP), por isso, irá receber o navio Joides Revolution para uma expedição, em águas brasileiras, programada para junho de 2020. Liderada pelo professor e pesquisador da Unisinos e coordenador do itt Fossil, Gerson Fauth, a expedição terá duração de dois meses e contará com a participação de outros 27 pesquisadores dos Estados Unidos, China, Japão, Coreia do Sul, Suécia, Inglaterra, Alemanha, Índia, França, Noruega e Brasil, sendo apenas três brasileiros.

“O IODP é responsável por realizar pesquisas em mar profundo e, a cada dois meses, realiza uma nova campanha de perfurações tentando responder a objetivos de pesquisas propostos em projetos submetidos e desenvolvidos há 7 ou 10 anos”, explica Fauth.

A expedição será pela costa do Nordeste, tendo como porto para atracar e trocar a tripulação e cientistas a cidade de Fortaleza. “Vamos investigar 300 km a leste da cidade de Recife”, conta o líder da expedição.

[Navio Joides Revolution tem viagem para o Brasil programada para junho de 2020 Crédito: Gerson Fauth

Ao longo dos dois meses no mar, os pesquisadores irão desenvolver uma descrição dos sedimentos, da micropaleontologia e estudos sobre a tectônica, entre outras pesquisas. “Realizaremos quatro perfurações de 600 a 1200m, aproximadamente, com uma lâmina d’água de aproximadamente 3 mil metros. Vamos tentar desvendar como foi a abertura do oceano atlântico, quando América e a África se separaram há 120 milhões de anos. Também queremos saber como o oceano atlântico evoluiu e como foi o clima durante esse tempo”, destaca o coordenador do itt Fossil da Unisinos.

Mais informações sobre essa expedição no site do IODP.