Cós é destaque em competição internacional de negócios sociais

Empresa que surgiu na Unisinos ficou entre as finalistas

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

Empreender em um negócio social já é algo significativo, imagina ser reconhecida pela atuação? Essa é a Cós, empresa que trabalha para que o ecossistema da moda seja mais ético, colaborativo e sustentável, única brasileira finalista da competição internacional SBC – Social Business Creation na edição 2021. Um programa global de aceleração de negócios sociais, parceria entre Yunus e a HEC Montréal. A competição, reconhecida globalmente, contou com quatro rounds e a final.

Crédito: Divulgação

A professora de Design e Moda, Karine Freire conta que, a partir do terceiro round, foram 50 dias dedicados a ressignificar toda proposta do produto mínimo viável (MVP) para apresentação aos jurados no quarto round. “Recebemos valiosas contribuições de dois pesquisadores da Unisinos para a aprimorar a proposta. Iuri Gavronski do PPG em Administração e Rafael Grohmann do PPG em Comunicação contribuíram com suas expertises em ESG e cooperativa de plataformas. Além das consultoras Aurélia Adriana de Melo e Gabriela Gonçalves, com suas expertises em negócios de impacto socioambiental”, ressalta. A Cós também participou de uma sessão de coaching com John Vincent da TEC Canadá. A SBC teve a participação de 265 projetos de universidades de todo o mundo neste ano. “Ser selecionada e ser a única iniciativa brasileira que chegou na final de 2021 foi uma grande conquista”, afirma Karine.

A Cós surgiu em 2019, como projeto de extensão ligado ao mestrado em Design da Unisinos, por meio da bolsa de estudos do Fundo PPG Design, doação do Instituto Lojas Renner S.A. Na dissertação de mestrado, Liz Unikowski, orientada pela professora Karine, propôs uma solução habilitante que estimulasse a criação de modelos de produção colaborativos no âmbito da cadeia da moda. Atualmente, a empresa trabalha no desenvolvimento técnico e relacional de mulheres para inclusão no mercado de trabalho. Situada no Complexo Vila Flores em Porto Alegre, atua em um universo de cuidado, de atenção, de transparência e de regeneração feminina, trabalhando nas premissas da circularidade, desviando resíduos e desenvolvendo mulheres através de uma costura responsável. “Aqui criamos, cocriamos, erramos, acertamos, reutilizamos e desenvolvemos soluções criativas através de várias mãos. A nossa força é a força do coletivo, do feminino, do aprender junto”, enfatiza Liz.

Crédito: Divulgação

A empresa tem em sua equipe em torno de 17 profissionais, todas mulheres. São costureiras, bordadeiras, modelistas, motogirl, profissionais de marketing e comunicação, com atuação espontânea. “A Cós, acolhe as histórias e os desejos dessa mulherada potente e oferece ferramentas para que elas coloquem seus talentos no mundo. Nenhuma profissional é exclusiva. Nós criamos essa rede de confiança, de troca de saberes, mas o que queremos mesmo é que elas tenham autonomia. E a gente sabe o quanto isso é revolucionário para uma mulher. Entendemos que o cuidado com o outro e com as relações é o que tem maior valor. Comprar com a Cós é mais do que consumir um produto ou serviço, é escolher fazer parte de uma transformação social”, explica Liz.

Durante a competição SBC, a Cós aprimorou o seu modelo de negócio para dar escalabilidade ao impacto social gerado ao longo dos dois anos de atuação e aprendizado. A intenção é possibilitar que as mulheres se tornem empreendedoras, donas do próprio negócio, em uma rede de apoio mútuo, competindo para crescer. Para isso, foi criada uma MVP de uma cooperativa de plataforma, relacionada à produção de moda que possibilita uma trajetória de transformação de mulheres vulneráveis em empreendedoras. Com o espaço digital, podem se conectar entre si e com clientes. Como resultado, mais visibilidade, geração de renda, e o acesso à educação empreendedora, criativa, técnica e relacional. “A cooperativa de plataforma será um espaço digital, onde elas também são donas e participantes das decisões direcionadas para o benefício desta comunidade. A solução é um modo de romper com a desigualdade de oportunidades de lideranças para mulheres que identificamos no setor da moda”, finaliza.

Após os retornos positivos dos jurados, a equipe retorna da competição, pronta para captar recursos para a implantação do MVP. Gostou da iniciativa? Saiba mais sobre a Cós e acompanhe suas ações pela página no Instagram @somos_cos.