Como será o mercado da comunicação do amanhã?

Eduardo Prange e Gustavo Lacerda explicaram quais são as mudanças e quais os futuros caminhos para a comunicação digital

JULIANA BORGMANN

Já se perguntou como serão os próximos anos para o mercado da comunicação? O tema foi o assunto debatido no Painel ARP: perspectivas para o futuro mercado gaúcho da Propaganda. A palestra foi uma das atrações do último dia do Conecta+ e contou com a presença do CEO e Co-founder da Zeeng, Eduardo Prange e com o diretor de Criação da ARP, Gustavo Lacerda.

O processo de digitalização das marcas e empresas foi acelerado durante a pandemia e isso gerou novas demandas para o mercado da comunicação. A formação dos novos profissionais exige, cada vez mais, comunicadores multidisciplinares.

Para Eduardo Prange, a situação atual transforma o marketing em um modelo racional, explorando muito a análise e uso de dados. “Esse modelo de marketing racional exige dos profissionais o conhecimento em matemática, logística, dados, de diferentes áreas, ou seja, esses comunicadores precisam ser multidisciplinares”, avaliou.

Crédito: Divulgação

Esse momento de mudança de muitos mercados e profissões possibilita que a criatividade seja o verdadeiro diferencial. “Se eu estivesse entrando no mercado agora, investiria mais nos projetos pessoais, criando coisas novas, ao invés de esperar que alguém veja meu trabalho e me contrate”, opinou Gustavo Lacerda. A demanda, segundo ele, é visível a partir do surgimento de novos criadores de conteúdo que exploram a criatividade e os assuntos do momento.

Crédito: Divulgação

Um dos pontos abordados pelos palestrantes foram as questões sociais que ganharam muita visibilidade nos últimos meses. Gustavo acredita que essas questões são um grande diferencial, afinal a criação de conteúdo acessível e representativo e, também, o posicionamento das marcas a partir desses temas é importantíssimo. “As marcas precisam ser parte da mudança que nós queremos ver no mundo”, complementou Eduardo.

A palestra também contou com a presença do designer, Jorge Fernando Lückemeye que possui experiência em diversas agências gaúchas e marcas como Renner e Adidas. Para ele a digitalização está possibilitando melhores resultados. “Os dados possibilitam uma análise mais qualificada da otimização dos recursos, principalmente, nessa fase de crise econômica”, analisou.