Atividades do Pró-Maior continuam

Idosos têm recebido orientações online

MATHEUS N. VARGAS

O Programa Pró-Maior atende cerca de 400 pessoas com 60 anos ou mais, de forma gratuita, ao todo, são 21 atividades de ação continuada, organizadas em 30 grupos e estruturadas em cinco eixos: educação, saúde e qualidade de vida, convivência grupal, espaços de reflexão e necessidades operacionais da vida do idoso. As atividades costumavam ocorrer presencialmente, porém, devido à atual situação, foi necessário se adaptar.

Crédito: Divulgação

No dia 20 de março, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional liberou, por meio da Resolução 516, a realização de teleconsulta, telemonitoramento e teleconsultoria.

Com isso, estão sendo feitos cards e vídeos, que são disponibilizados em um grupo fechado no Facebook. O material é postado todas as quartas-feiras, sendo que em cada semana é abordada alguma temática referente aos cuidados com a saúde dos idosos.

A estudante do curso de Fisioterapia, Vanessa Pilger, conta que a partir do desenvolvimento dos materiais, receberam o feedback que os idosos estavam gostando de assistir aos vídeos, realizar as atividades que foram passadas. “Acho que foi importante tanto pra eles continuarem recebendo informações em relação à saúde, e exemplos de exercícios e alongamentos para permanecerem mais ativos mesmo em casa, quanto para nossa turma que está conseguindo realizar a proposta do estágio, de um jeito novo que provavelmente não teríamos tido a possibilidade de participar em outro momento ao longo do curso”.

Crédito: Divulgação

Nesse momento de pandemia, em que os idosos são as pessoas de maior vulnerabilidade, e dessa forma configuram-se como grupo de risco para a Covid-19, é de extrema importância que eles se mantenham em isolamento social.

“Dessa forma, torna-se muito importante que esse contato se mantenha, mesmo que de forma virtual. Assim, os estagiários do curso de Fisioterapia trazem para esses idosos orientações sobre saúde, exercícios, alongamentos e outras informações que possibilitem a manutenção de uma boa qualidade de vida durante esse período”, explica a professora da Escola de Saúde, Patrícia Martins.