As conexões de Carol Anchieta com a Unisinos

IMPULSO

Hip hop, skate, feminismo negro. Essa é a essência de Carol Anchieta. E essa natureza foi o que a levou a escolher o jornalismo da Unisinos como graduação. Como profissional, tem uma trajetória fantástica no Grupo RBS, Globo, Canal Futura e TV Unisinos, sendo destaque por onde passou.

Todo mundo já viu alguma das matérias que a Carol faz. Sempre com temas relevantes, daqueles que fazem parte da vida de qualquer um. E além do seu talento, é claro, ela atribui uma bela parte do seu sucesso a universidade.

Carol Anchieta Crédito: Divulgação

Para ela, a Unisinos foi importante em todos os aspectos, não só para a profissional, mas para a Carol “pessoa” também. “A Unisinos sempre me deu muito espaço, me proporcionou conhecimento através da graduação, e ajudou a manter desde o começo a minha personalidade em tudo que eu faço como profissional”, revela a jornalista.

O início

Sua vida acadêmica começou no campus São Leopoldo. Na época, a estudante passava o dia na Unisinos, pois trabalhava na universidade durante o dia e acompanhava as aulas do curso pela noite.

Esse convívio direto na universidade começou a estreitar a relação. A proximidade com a Unisinos ficou muito forte, pois foi um período em que pode aproveitar os laboratórios e a estrutura do campus. Resultado disso, é que lançou um fanzine sobre Cultura Hip Hop que ficou conhecido no país inteiro.

Depois virou apresentadora da TV Unisinos, e a própria universidade fazia convites para sua participação como cerimonialista em eventos, mediadora, etc. Oportunidade que a deixou ainda mais próxima da instituição.

“A Unisinos me permitiu ter uma liberdade de entrevista e contato mais próximo com tudo que a sua estrutura tinha para oferecer lá dentro.”, lembra Anchieta.

A jornalista entende que a atitude da universidade de colocá-la à frente de vários desafios fez diferença no seu fortalecimento pessoal. “Não somente como profissional, mas como mulher negra, uma das poucas no país atuando no vídeo. Hoje temos mais, mas quando eu estava cursando, eram pouquíssimas”.

Criando uma outra perspectiva

Além de cumprir com seu papel de transmitir conhecimento, a Unisinos, na visão de Carol Anchieta, ainda possibilitou outras perspectivas. Tanto de vida como de mercado. “A universidade sempre permitiu que eu fosse eu mesma, isso pra mim foi o mais importante”.

Isso se refletiu a partir das oportunidades que a vida acadêmica proporcionou para Carol a possibilidade de questionar e de refletir sobre aspectos importantes como cidadã. Nunca se posicionando de forma contrária, o papel da universidade foi de provocar, de inspirar e incentivar o desenvolvimento da profissional.

“A Unisinos fez parte de todos os processos da minha vida”, diz Carol.

Comunicadora, feminista, articulada

Como jornalista, ela entende que tem outro compromisso: o de ser muito transparente. “ O que sou no vídeo é o que realmente sou”, explica. A essência que a fez optar pelo curso de comunicação da Unisinos também se evidencia em outros aspectos.

“Eu sempre carreguei a cultura urbana comigo, e posteriormente o feminismo negro, então tenho o compromisso de não falar só por mim, mas por todas aquelas que não têm os mesmos espaços de voz que eu tenho”.

Um passo a mais no conhecimento

O mestrado foi uma escolha para inovar. Não exatamente na sua área de conhecimento, Carol optou por estudar Design Estratégico. Para ela, foi o curso que possibilitou estabelecer um link com tudo aquilo que carrega na bagagem.

“Tem a comunicação, tem a diversidade, que tem a luta pela igualdade de forma genuína. Posso trazer tudo isso no Design Estratégico pelo poder que ele tem de projetar.”

O reencontro com as conexões que fez na graduação foi um momento pra lá de especial nessa caminhada. Gratificante, ela considera, encontrar pelos corredores do campus os professores da graduação, e agora no mestrado, ser bem recebida por eles.

“Todo o fortalecimento que eu tive desses profissionais durante a graduação, volta agora como um deja vú no futuro, numa Unisinos renovada, que se atualiza.” Para ela, voltar a estudar na Unisinos, foi como voltar para casa.

As conexões

Muitas conexões foram feitas no período da graduação que seguem hoje na vida. O próprio reitor da Unisinos foi um desses elos. “Eu estagiária, enviava e-mails para ele, que sempre acessível, respondia de forma carismática. Uma conexão assim, para uma estudante em formação, é uma fonte de confiança, de fortalecimento, inclusive para agir profissionalmente no mercado”, conta a jornalista.

Com um carinho imenso por todos os professores, ela, enquanto trabalhava na TV Unisinos, pode estabelecer uma conexão com estes profissionais que, hoje, a ajudam.

No entanto, a estrela que brilha fora da vida acadêmica também se encaminhou por vias de contatos que ocorreram lá no início, durante as aulas da graduação. Trocou a TV Unisinos pelo Canal Futura, e no Rio de janeiro, já podia contar com um colega de Unisinos que a recebeu super bem.

Recado para quem quer fazer o Vestibular Unisinos

“Para mim, ter feito o vestibular, foi uma oportunidade de criar laços muito verdadeiros”, conta Carol. Os laços pessoais, profissionais, os laços de aprendizado, são todos inseparáveis de seu dia a dia.

“Tenho muita certeza de que todo o conhecimento que adquiri na Unisinos, tanto na graduação, como agora no mestrado, realmente me fortalecem no mercado e fortaleceram como pessoa”, finaliza.