Saúde mental e trabalho digital são tema de pesquisa do DigiLabour na Unisinos

Projeto visa mapear a saúde dos trabalhadores em ambiente digital durante a pandemia

LAURA BLOS

O DigiLabour, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Unisinos, coordenado pelo professor Rafael Grohmann, em parceria com o grupo de pesquisa Contextos Digitais e Desenvolvimento Humano, da Escola de Administração da UFRGS, e do grupo Gestações, da UFRGS, coordenados pelos professores Daniel Abs e Julice Salvagni, está realizando pesquisa sobre Saúde Mental e Trabalho Digital.

“O objetivo do projeto é mapear a saúde mental dos trabalhadores em trabalho digital, considerando as especificidades de diferentes áreas impactadas pelas restrições de distanciamento social e de ocorrências de doença pelo novo coronavírus”, explica Rafael. O projeto é voltado para professores, trabalhadores em home office, trabalhadores em atividades essenciais, motoristas de aplicativos e entregadores, que estejam realizando suas rotinas de trabalho através de plataformas digitais.

A pesquisa é coordenada por professores da Unisinos e da UFRGS e conta com a participação de quatro mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e um graduando do curso de Psicologia da Unisinos. A parceria também faz parte do projeto Fairwork, coordenado pela Universidade de Oxford, no mundo, e pela Unisinos, no Brasil. O projeto visa destacar as melhores e piores práticas na economia de plataformas digitais, definindo princípios globais de trabalho justo nessas plataformas. “A ideia desta pesquisa, especificamente, nasceu dessas outras parcerias e redes de pesquisa, como por exemplo, a Maratona DigiLabour”, afirma Rafael.

A pesquisa Saúde Mental e Trabalho Digital pode ser respondida até dia 25 de setembro, através deste link. “Podem fazer parte da pesquisa quaisquer trabalhadores que, ou tenham adotado trabalho remoto durante a pandemia, ou que trabalhem por aplicativos”, afirma Rafael. Os primeiros resultados do estudo, devem ser divulgados já no fim de outubro.