Experiência no exterior

Aluno conta como tem sido sua trajetória nos Estados Unidos pelo Ciência sem Fronteiras

AUGUSTO LOPES DA SILVA, ALUNO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
17 de Setembro de 2014 - 13:43 | Atualizado: 17 de Setembro de 2014 - 15:20

Qual é a importância da realização de um intercâmbio para uma pessoa? Existem muitas respostas para esse questionamento, mas todas se resumem a “adquirir experiência”.

Desde que entrei na Unisinos, sonhava com a ideia de realizar um intercâmbio, mas era somente um sonho. No decorrer dos semestres de estudos, tive a oportunidade de ser estagiário de grandes companhias do setor de Tecnologia de Informação na Grande Porto Alegre. E, desde o primeiro dia de trabalho nessas organizações, pude notar que, por mais que a empresa estivesse localizada no Brasil, o idioma falado podia ser o português, mas o idioma usado para escrita e leitura era o inglês. Por isso, logo tive que começar a estudar essa língua.

“Comecei a intensificar meu estudo do idioma nos meses seguintes e percebi que um intercâmbio não era mais um sonho, era uma necessidade.”

Augusto Lopes da Silva, intercambista

O idioma

[TEXTO ALTERNATIVO DA IMAGEM

Consegui uma bolsa de estudos no Unilínguas através de uma parceira que a instituição tem com empresas do polo tecnológico (Tecnosinos) e cursei um ano e meio de inglês. Durante esse período, fui convidado para trabalhar na empresa que me concedeu a bolsa. Neste momento, notei que somente escrever e ler em inglês não era suficiente. Algumas palavras até saíam, mas não era o bastante para poder trabalhar no modelo de trabalho da organização. Com times globais, interações em inglês e em outras línguas eram frequentes. Comecei a intensificar meu estudo do idioma nos meses seguintes e percebi que um intercâmbio não era mais um sonho, era uma necessidade. No entanto, estudar no exterior não é uma atividade barata. Os custos são muito altos e ainda existe a oscilação cambial para aumentar ainda mais o investimento.

A preparação

Conversando com um amigo sobre minha vontade de estudar no exterior, ele me falou do programa de concessão de bolsas de estudos para estudantes das áreas de ciências exatas e tecnológicas, chamado Ciência sem Fronteiras. Ao ler bastante sobre a iniciativa, conversar com outros estudantes, professores e com meus supervisores/gerentes, a oportunidade se tornou uma atividade obrigatória para mim. Comecei a obter todos os documentos necessários para essa nova aventura em minha vida. Foram quase dois meses somente providenciando a documentação, cartas de recomendação, visto e muito mais, mas tudo isso não foi muito complicado, pois pude contar com ajuda de excelentes profissionais dentro e fora da Unisinos, que facilitaram muito a obtenção destes documentos. Depois de alguns dias, minha viagem para uma terra que desconhecia estava marcada e não havia ninguém que eu conhecesse por lá. E mais uma coisa: minha habilidade de falar inglês era muito baixa.

“Integrar-me ao ambiente social, fazer compras e solucionar problemas de imigração foram alguns dos desafios que tive que enfrentar.”

Augusto Lopes da Silva, intercambista

A experiência

Ao chegar aos Estados Unidos, enfrentei muita dificuldade na comunicação. Integrar-me ao ambiente social, fazer compras e solucionar problemas de imigração foram alguns dos desafios que tive que enfrentar. Por isso, nos primeiros quatro meses, participei de um programa intensivo de inglês. Estudei o dia todo, um total de 20 créditos, para aperfeiçoar minha comunicação na língua. Depois de concluir esse período, fui aceito pela universidade para iniciar meus estudos acadêmicos. Já estou há um ano no país. Durante esse período, aprimorei muito minhas habilidades com o idioma, conheci muitas pessoas, solidárias e prestativas, tive a oportunidade de conhecer diversas culturas e visitar belos lugares. Também tive a chance de mostrar para meus colegas americanos e estrangeiros que no Brasil existem outros estados e outras culturas, explicando que o Brasil não se resume apenas a Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia, mas que tem vários outros estados com diversas riquezas culturais e naturais, destacando a cultura gaúcha como um exemplo da diversidade cultural brasileira.

O conselho

Recomendo a todos que, se um dia tiverem a oportunidade de realizar um intercâmbio, façam, pois muitos são os benefícios. Claro que existem dificuldades: família, dinheiro, trabalho, amigos, relacionamentos e muitos outros. Mas quando almejamos algo com todas as forças, corremos atrás e superamos os obstáculos que encontramos pelo caminho.