Design da Unisinos leva dois prêmios

Evento aconteceu no dia 14 de novembro em Porto Alegre

MICHELLI MACHADO
21 de Novembro de 2014 - 11:43 | Atualizado: 21 de Novembro de 2014 - 13:59

Inovação, criatividade e boas ideias foram destaque no 5º Prêmio Bornancini de Design. A Unisinos marcou presença no evento e trouxe para casa a premiação de segundo e terceiro lugar, com Mirela Rosa e Paola Mânica, respectivamente.

O prêmio é um importante reconhecimento do Design gaúcho, segundo Mirela, professora dos cursos Design, Gestão para Inovação e Liderança (GIL) e Moda. "É muito gratificante receber esse troféu, pois significa a escolha do caminho certo", destaca. Paola, egressa do curso de Design de Unisinos, ressalta a importância do prêmio para área, uma vez que promove e valoriza o design enquanto fator decisivo na estratégia empresarial, além de exercer o papel de agente estimulador de novos talentos. Conheça abaixo os dois projetos: S.O.S Criativo, criado por Mirela, e Bridge, criado por Paola.

[Kit SOS Criativo

S.O.S Criativo

O projeto "S.O.S Criativo, kit para explorar, criar e testar ideais", inclui um conjunto de cartas, um mapa global e um manual. Foi criado para ser um brinde aos participantes do TEDxUnisinos 2013. “Devido à grande procura após este evento, hoje a minha empresa, Nola Design, está comercializando o material”, conta Mirela.

A ideia surgiu a partir da pesquisa de mestrado em Design realizada na Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Mãe de Deus. “Percebi algumas dificuldades práticas na implementação do Design de Serviços neste ambiente de alta complexidade. Para facilitar o planejamento em conjunto e comunicação com profissionais de outras áreas, desenvolvi essa ideia das cartas coloridas e do mapa global, que auxilia o planejamento e a visualização das etapas e ferramentas que serão usadas ao longo do projeto. Todo o projeto teve forte colaboração do Gustavo Borba e da Karine Freire”, afirma a professora.

Mirela conta que no Design de Serviços é fundamental o trabalho em equipes multidisciplinares para gerar inovação. “Quando essas planejam o projeto, geralmente não há uma avaliação em conjunto sobre as ferramentas escolhidas. No kit S.O.S Criativo, cada carta (ferramenta) é categorizada em cores que correspondem às áreas do conhecimento que devem estar presentes em um projeto, como análise/síntese, empatia, visualização, usabilidade e criatividade”, destaca. O uso do kit permite a avaliação do balanceamento das ferramentas antes do início do projeto e facilita ensinar a metodologia do Design a profissionais de outras áreas.

[Bridge, criado por Paola Mânica

Bridge

O projeto nasceu com o Trabalho de Conclusão de Curso desenvolvido por Paola. O Bridge é um serviço para desenvolvimento de ações a partir de experiências de intercâmbio. “É um programa no qual futuros alunos intercambistas se inscrevem e criam vínculos com organizações que necessitam de desenvolvimento em algum aspecto específico, por exemplo: um posto de saúde que tem problemas no registro e/ou manuseio das informações dos pacientes ou uma escola pública, que não tem espaço suficiente para seus alunos”, explica Paola.

Segundo a designer, os estudantes viajam com o propósito de desenvolver uma solução para uma dessas organizações e mantém contato com elas durante o intercâmbio, por meio de um mentor responsável pelo projeto. “O objetivo é aproveitar as experiências dos alunos para desenvolver soluções para o Brasil por meio de um banco de dados de projetos. Criar e consolidar parcerias em busca da inovação em diferentes meios. Transformar áreas como educação, saúde, transporte e a implementação de novas tecnologias”, conta Paola.

A primeira sementinha para o surgimento da ideia de criar o projeto aconteceu com a participação de Paola, quando estudante, do programa Ciência Sem Fronteiras, em 2012. “Ganhei uma bolsa para ficar um semestre na Coreia do Sul e, na volta, estava muito inquieta, eu não conseguia entender o fato de ter tido a oportunidade de uma bolsa, que vinha do dinheiro do povo, e não ter de dar nada em troca. Achava injusto com todos, com população, com o governo e até comigo. Eu queria retribuir”, lembra. Para Paola, o Bridge foi a oportunidade que buscava para mudar algo, ao unir estes estudantes e professores que fazem parte do Ciência Sem Fronteiras e criar um grande grupo de desenvolvimento de soluções para o país.