Aluna da Biomedicina é semifinalista de concurso internacional

Para participar do BioRender, Melissa Alves desenvolveu dois gráficos que comunicam a ciência de forma simples

MATHEUS N. VARGAS

A estudante do 7º semestre do curso de Biomedicina, Melissa Alves, está entre os 600 semifinalistas do BioRender. Para a competição, a estudante desenvolveu duas ilustrações: uma para um artigo que fala sobre uso de EPIs e distanciamento como prevenção para Covid-19 e outro sobre uma pesquisa desenvolvida no itt Chip.

Crédito: Divulgação

O evento acontece anualmente e é do site BioRender, usado para o desenvolvimento de gráficos científicos e criação de conteúdos ilustrativos profissionais.

Melissa conta que fez dois gráficos para competir na categoria Covid-19, um deles, embasado no artigo Physical distancing, face masks, and eye protection to prevent person-to-person transmission of SARS-CoV-2 and Covid-19: a systematic review and meta-analysis publicado pela revista The Lancet. “Acredito que muitas das informações cientificas não conseguem chegar da melhor forma possível para a população em geral, e em meio a uma pandemia é essencial que a comunidade cientifica consiga transpassar essa barreira da comunicação e se mostrar mais presente”, explica.

Crédito: Especial

O outro foi sobre um projeto do grupo Lab-on-a-Chip, do qual a estudante participa, vinculado ao Instituto Tecnológico de Semicondutores da Unisinos - itt Chip. “No gráfico, ilustrei o dispositivo microfluídico point-of-care para detecção do tempo de coagulação sanguínea. Em laboratório, o teste exige equipamentos automatizados e de alto custo, profissionais habilitados e maior tempo na entrega de resultado. Já com a utilização do dispositivo ilustrado, além de seus outros benefícios, a entrega do resultado fica mais rápida, agilizando as tomadas de decisões em contexto de pacientes anticoagulados, em cirurgia e acidente vascular cerebral, por exemplo” comenta a aluna.

Crédito: Especial

Para Melissa, que é desenhista e estudante da área de saúde, essa competição possibilitou que ela seja vista pelo que mais gosta de fazer, que é unir seu conhecimento científico com sua habilidade em ilustração. “Entrei na competição para poder espalhar o conhecimento científico da melhor forma possível, e dei a sorte de estar entre os 600 gráficos na semifinal, que serão avaliados por profissionais. Só de chegar nas semifinais de uma competição internacional já me deixa muito animada e mais confiante em seguir esse ramo de divulgação científica”, afirma.

Para a coordenadora do curso de Biomedicina, Juliana Scherer, unindo seu talento artístico e conhecimento científico das ciências da saúde, Melissa desenvolve um dos trabalhos mais lindos de um pesquisador: a comunicação da ciência de forma simples e acessível ao público geral. “O concurso de BioRender sobre ilustrações científicas é um concurso internacional, que recebe submissões de alunos e pesquisadores das Universidades mais tradicionais do mundo, como a John Hopkins, a McGill e a Imperial College of London. Ter uma aluna do curso de Biomedicina representando a Unisinos nessa competição tem um papel muito significativo, pois reforça o enorme potencial dos nossos alunos como interlocutores científicos de alcance internacional. Além disso, traz a possibilidade de divulgar as pesquisas de alta qualidade e relevância que fazemos dentro da Escola de Saúde”, finaliza a coordenadora.