Um convite para uma nova vida

Projeto Chance proporciona atendimento a egressos do sistema penitenciário e de medidas socioeducativas através de cuidados interdisciplinares

RENATA CARDOSO

São diversos os desafios para os egressos do sistema penitenciário. O preconceito, a violência e a falta de oportunidades dificultam o retorno à sociedade. “É preciso sensibilizar, pensar na cidadania, no investimento para formar profissionais que contribuam e trabalhem na reinserção e dignidade de quem sai do presídio”, reflete Mariana Schneider, estudante de psicologia e estagiária há dois anos no Projeto Chance.

“Sendo um projeto social da Unisinos, temos o compromisso de aproximar a formação dos estudantes com a realidade das pessoas que atendemos”, aponta Mariana. Desde que entrou na faculdade, ela tinha interesse sobre a reintegração dos egressos da prisão, medidas socioeducativas e adultos em violação de direitos. “Em 2017, passei a trabalhar no Chance e comecei a saber mais sobre o sistema prisional, o atendimento aos presos e os contextos que os envolvem, inclusive dos projetos sociais e acompanhamentos psicológicos”, conta.

[Inscrições para Vestibular de verão Unisinos Crédito: Brayan Martins

O Chance surgiu com uma ideia do professor Alexandre Dargel. “A partir da minha experiência no Programa de Práticas Sociojurídicas (PRASJUR), percebi a situação de extrema precariedade que o cidadão enfrenta após o encarceramento, uma vez que não há qualquer acompanhamento ou apoio do Estado”, aponta. Ele atua como coordenador do projeto, que acolhe e atende quem sai do sistema prisional e de medidas socioeducativas, bem como suas famílias. No Chance, há assistência jurídica, atendimento psicológico e social, com trabalhos interdisciplinares.

Recentemente, o projeto tem buscado mais divulgação para que o acolhimento chegue a um número maior de pessoas. “Houve uma movimentação em 2018, a partir de diversas ações desempenhadas pela equipe, resultando em várias parcerias para o desenvolvimento de atividades diretas com o público, bem como a realização de eventos na Universidade, tais como seminários e palestras”, ressalta Alexandre.

Há muitas histórias bonitas que resultaram da dedicação da equipe do projeto. Já houve adolescentes e adultos alfabetizados e pessoas que conseguiram emprego após os atendimentos. No entanto, essas conquistas só são possíveis quando há um interesse genuíno entre as duas partes: a pessoa que busca o projeto e quem a acolhe no espaço do Chance.

[Inscrições para Vestibular de verão Unisinos Crédito: Brayan Martins

“Num projeto como esse, se ficarmos cegos e surdos às realidades sociais que nos chegam, não vamos saber como auxiliar. Quem chega aqui, geralmente, tem um discurso de desesperança, mas quando apostamos na pessoa, ela muda. O retorno está na construção do afeto”, garante Mariana.

A estagiária e futura psicóloga faz os acompanhamentos terapêuticos, acolhimentos, recebe grupos e participa de reuniões. O Chance atende toda a região com penitenciárias próximas, não apenas São Leopoldo. Articulando diversos agentes de saúde e serviço social, como Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS), Fundação de Atendimento Socioeducativo (FASE), fóruns, escolas, centros de acolhimento, albergues, etc.

“Eu acredito na micropolítica das relações, em estar com as pessoas e construir estratégias coletivas. Infelizmente, não existem políticas públicas para egressos do sistema prisional”, reflete Mariana. “O projeto é inovador, uma vez que não há notícias de outra ação como essa em universidades do país, ainda mais com a participação de professores e alunos na extensão universitária”, afirma Alexandre.

São os sonhos que têm mantido o projeto. O de Alexandre, ao fundá-lo e difundi-lo. O de Mariana em atender e acolher com qualidade. E o de todos os que se dedicam a continuar o trabalho, garantindo que a reintegração seja digna, humana e responsável.