Testes da Covid-19 começam a ser processados na Unisinos

Laboratório é fruto da parceria entre Universidade e Hemocord, do Tecnosinos

PEDRO BARBOSA E RHAVINE FALCÃO

Um dos maiores gargalos no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) está na realização de testes. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a testagem do maior número possível de pessoas, para que se possa conhecer o real tamanho do problema e a evolução dos casos. Buscando enfrentar este desafio, a Unisinos, o Tecnosinos e o Hemocord – Biotecnologia, formaram uma parceria para processar os testes para detectar a doença.

Crédito: Rodrigo W. Blum

A operação, que teve início nesta quinta-feira, 30/4, está sendo realizada no laboratório do Hemocord, uma empresa de biotecnologia e banco de células-tronco de sangue e tecido de cordão umbilical, com laboratório de criopreservação. De acordo com a CEO da empresa, a médica Karolyn Sassi Ogliari, que também é professora do curso de Medicina da Unisinos, o laboratório realizou as adequações necessárias e recebeu a confirmação do nível 3 de biossegurança junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa.

De acordo com a diretora do Tecnosinos, Susana Kakuta, a parceria tem grande importância, pois representa a ampliação da capacidade do Rio Grande do Sul na realização de testes de alta confiabilidade, com entrega de laudo em tempo reduzido. “E gera também para nós, como universidade e como área de inovação, a possibilidade de evoluir em pesquisas de outros dispositivos na área de saúde. É um grande momento para o nosso ecossistema”, completa.

Como forma de ampliar a capacidade do laboratório durante a pandemia, também serão utilizados equipamentos do Instituto Tecnológico Nutrifor (itt Nutrifor). Além disso, o espaço conta com voluntários das Escolas de Saúde e Politécnica da Unisinos, que vão auxiliar na operação. Com isso, será possível realizar 5.400 testes por mês, num sistema que vai operar em três turnos. Karolyn explica que a meta é disponibilizar os laudos em 24 horas. “Quanto mais rápido for o processamento, maior a assistência correta ao paciente. Isso implica em medidas de isolamento e tratamento”.

Crédito: Rodrigo W. Blum

O laboratório não possui fins lucrativos e os custos de testagem envolvidos são exclusivamente para cobertura de custos operacionais e insumos. Esteio, Santo Antônio da Patrulha e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Metroviário e Conexas do RS - Sindimetrô-RS já firmaram parceria para processar os testes no laboratório. Além disso, São Leopoldo deve aderir ao projeto nos próximos dias.

Também foi realizada uma parceria com Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE. O acordo prevê a destinação de recursos para viabilização de 1.000 testes para detecção da Covid-19 e a emissão dos respectivos laudos.

Municípios interessados em processar testes no laboratório devem entrar em contato pelo telefone (51) 99657-7979 ou através do email: unitec@unisinos.br.

A iniciativa faz parte de uma série de ações que vêm sendo desenvolvidas no ecossistema de inovação da Unisinos para combater a pandemia.

Ficou interessado em saber mais sobre os testes Covid-19 processados na Unisinos? Confira o podcast que preparamos: