IODP e itt Fossil continuam parceria em segundo Summer School

Evento teve aulas com professores dos EUA e Reino Unido, que participarão de uma saída de campo no final de semana

MARCELO GRISA

Nesta semana, de 10 a 16 de fevereiro, acontece a segunda edição do IODP Brazil Summer School on Micropaleontology and Paleoceanography. O curso internacional de verão na área de paleontologia é ministrado numa parceria entre a Unisinos, através do itt Fossil, e o International Ocean Discovery Program, o IODP (Programa Internacional de Descobrimento do Oceano, em português). O Brasil integra o programa desde 2013, sendo um dos membros mais recentes.

Nesta edição, os ministrantes foram os professores Mark Leckie, da University of Massachusetts, nos Estados Unidos; e Tom Dunkley Jones, da University of Birmingham, no Reino Unido. O tema geral foi a paleoceanografia, com foco nos períodos Mesozóico e Cenozóico, através dos nanofósseis e foraminíferos planctônicos.

IODP Crédito: Marcelo Grisa

Para o professor Mark Leckie, é de grande importância que um evento como este aconteça na Unisinos. Segundo ele, devido a robustez do investimento do itt Fossil e de como a iniciativa reúne muitos pesquisadores. “Eu estou impressionado. É minha primeira vez no Brasil, e eu não esperava ver algo tão grande”. Além disso, o professor estadunidense celebrou a parceria da Unisinos com a Petrobrás. “É uma relação de ganha-ganha para ambos os lados, com benefícios grandes para a academia e para a empresa petrolífera”.

O coordenador do itt Fossil e professor do PPG em Geologia, Gerson Fauth, será o líder da próxima expedição do IODP, programada para junho. A nova empreitada está sendo organizada justamente pelo pesquisador Tom Dunkley Jones. “Precisamos ainda de alguns anos, mas é algo necessário para termos mais informações sobre o Atlântico Sul, um oceano do qual sabemos pouco”, argumenta o inglês.

As aulas ocorreram nos laboratórios e salas anexas ao Instituto Tecnológico em Micropaleontologia, o itt Fossil, de 10 a 14 de fevereiro. Nos dias 15 e 16, os pesquisadores sul-americanos e os ministrantes farão uma visita de campo no Caminho dos Cânions do Sul. Na cidade de Cambará do Sul, em meio aos Parques Nacionais de Aparados da Serra e de Serra Geral, estão locais importantes para o estudo de sedimentos antigos na parte mais meridional do continente. Os vestígios já encontrados na região são do Cretáceo Inferior - entre 100 e 145 milhões de anos.