Cinco alunos da área de engenharia foram aprovados para programa de intercâmbio na Alemanha

CAROLINA AMBROS

A possibilidade para o programa de intercâmbio continua acontecendo mesmo durante a pandemia da COVID-19. Só no início desse semestre, a Unisinos já soma cinco alunos aprovados para o programa de intercâmbio acadêmico, todos da área de engenharia, entre os cursos de Engenharia Eletrônica, Biomédica e de Alimentos.

Todos os alunos foram aprovados para universidades da Alemanha, através da UAS7, que trata-se de uma aliança entre sete universidades do país europeu. A Unisinos, que é a representante da UAS7 para a América do Sul, oficializou a parceria em 2018. E desde então, mais de 15 alunos já foram para uma das sete universidades parceiras através desse programa de intercâmbio, que tem seu edital sempre no segundo semestre de cada ano.

Crédito: Getty

O início do intercâmbio está previsto para setembro, mês que inicia o ano letivo alemão. A coordenadora dos cursos de Engenharia Biomédica e Engenharia de Materiais, Tatiana Rocha, explica que a UAS7 e a Unisinos estão acompanhando desde o ano passado a questão da pandemia e, que caso seja necessário os alunos poderão adiar a sua ida para Alemanha, sem perder a vaga no programa. Os aprovados ganham uma bolsa auxílio de EUR1.000 para despesas com a viagem que, a princípio, dura um semestre, tendo possibilidade de prorrogar para dois se o aluno tiver interesse.

A coordenadora chama atenção para a importância de um intercâmbio para a vida acadêmica de um graduando, “A possibilidade de um intercâmbio, e isso ainda durante o período de graduação do aluno, permite que ele vivencie experiências acadêmicas, culturais e pessoais que contribuem de forma muito significativa na formação desse futuro profissional. Isso, tanto de forma acadêmica, mas principalmente nas suas relações interpessoais e interculturais, o que é de extrema importância no mundo globalizado que vivemos hoje”, explica Tatiana.

Entre os cinco alunos aprovados para o intercâmbio na área de Engenharia, quatro são mulheres. Esta escolha profissional que por muito anos foi considerada um ambiente masculino, conta cada vez mais com alunas mulheres. Tatiana fala sobre o auxílio de órgãos de fomento como a CNPQ, que criou um edital para meninas na área. “Além disso, com o tempo, as próprias alunas têm se engajado em mostrar as possibilidades da engenharia para as mulheres'', conta a coordenadora.

Além do programa de intercâmbio, anualmente, a Unisinos e a UAS7, em conjunto com a FH Münster, uma das sete universidades de ciências aplicadas, organizam o evento chamado de Moving the Cities, onde participam alunos brasileiros, alemães e também de universidades parceiras de vários países, entre eles Colômbia, Chile, Estados Unidos e Reino Unido. Para saber mais sobre a edição do Moving the Cities 2021, que já está sendo organizada, clique aqui.