Brasil e Alemanha analisam Inovação Social na América Latina e Europa

Evento aconteceu nessa segunda-feira, 23/9, no Campus Porto Alegre

OLÍVIA BERTOLINI

Pesquisadores do Brasil e da Alemanha estiveram reunidos nessa segunda-feira, 23/9, no Campus Porto Alegre, para refletir e discutir sobre os Desafios da Inovação Social na Europa e na América Latina. A realização do evento é fruto da parceria entre Unisinos e Universidade TU Dortmund que, juntas, promovem pesquisa, mobilidade discente e docente em busca do aprofundamento das questões que envolvem a inovação social em projetos colaborativos. A iniciativa conta com o apoio, no Brasil, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da DAAD da Alemanha.

As atividades de inovação social visam tratar os problemas sociais de maneira sistêmica, para gerar práticas que transformem a realidade das pessoas das comunidades envolvidas. Neste contexto, os cidadãos são protagonistas na solução, em um processo de cocriação. Essa articulação quebra paradigmas e a visão assistencialista e de ações isoladas. No Brasil, a inovação social busca minimizar mazelas sociais como necessidade de inclusão social, baixos níveis de educação e saúde, pobreza e má distribuição de renda. A diminuição desses problemas sociais vai ao encontro dos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) apontado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Já na Europa, a Inovação Social se dá principalmente no contexto de problemas ligados à mobilidade ou ao envelhecimento da população.

Para o pesquisador da Universidade de TU Dortmund e coordenador do grupo de pesquisa Social Drive, Jürgen Howaldt, a universidade é um ator importante no sentido de estimular a produção de conhecimento por meio da pesquisa. Howaldt lembra, ainda, a que a inovação social pode ter impacto em várias políticas públicas não apenas de cunho social, mas também, econômico.

O papel da Universidade também foi reforçado pelo pesquisador da Universidade de TU Dortmund, Dmitri Domanski. Segundo ele, a inovação social é desenvolvida por meio de alianças entre diferentes grupos: sociedade civil, setor público, universidade, pesquisa acadêmica e economia. Dados do SI Drive, apresentados pelo pesquisador revelam que 91% dos casos em inovação social são resultantes de alianças entre aproximação de pelo menos dois destes grupos. Neste contexto de relações entre atores diferentes, a inovação social emerge dando origem aos ecossistemas.

“A inovação social é um tema extremamente relevante no contexto brasileiro e mundial. Esse evento é uma oportunidade para debatermos, junto com a sociedade, a inovação social no Brasil. Além disso, é também uma maneira de celebrarmos os dois anos dessa parceria com a Universidade da TU Dortmund“, reforçou Cláudia Bittencourt, decana da Escola de Gestão e Negócios e coordenadora do Projeto de Pesquisa em Inovação Brasil-Alemanha (PROBRAL) pelo Brasil.

O evento contou com a presença de pesquisadores de diferentes Instituições, cujos temas foram ministrados pelos seguintes palestrantes: Jürgen Howaldt (TU Dortmund University), Robert Schade (DAAD), Dmitri Domanski (TU Dortmund University), Claudia Bitencourt (Escola de Gestão e Negócios da Unisinos) Karine Freire (Indústria Criativa da Unisinos), Adriane Ferrarini (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Unisinos), Celia Cruz (Diretora Executiva da ICE) Carolina Andion (Programa de Pós-Graduação em Administração da ESAG UDESC), Silvio Bitencourt da Silva (Institutos Tecnológicos da Unisinos) e Lucas Bonacina Roldan (Programa de Pós-Graduação da PUCRS). Para conferir o seminário na íntegra clique aqui.