Genebra, destino dos futuros internacionalistas

Viagem fez parte do intercâmbio curricular do curso de Relações Internacionais

LAURA HAHNER NIENOW

Um grupo de estudantes do curso de Relações Internacionais esteve na Suíça, de 13 a 28 de abril. A agenda dos alunos contou com atividades acadêmicas e visitas guiadas a Organizações Internacionais, ONGs e instituições de ensino e pesquisa.

Durante a primeira semana, os estudantes assistiram ao diversificado conjunto de atividades na Escola de Relações Internacionais e de Diplomacia de Genebra. A instituição é conveniada com a Unisinos e tem sólida e reconhecida formação em Relações Internacionais. Lá, além do contato com docentes dotados de forte formação acadêmica e inserção no mercado profissional, os intercambistas tiveram oportunidade de estabelecer redes de contato com estudantes de diferentes origens e culturas.

Ao longo da segunda semana, os alunos cumpriram uma extensa agenda de visitas a organizações internacionais. A que mais interessou Otávio Friedrich, foi a visita feita à Organização Mundial da Saúde. “Pude perceber o imenso esforço em pesquisar e acompanhar a saúde de maneira global e inclusiva, tanto em relação aos sistemas de saúde dos países, quanto no controle de epidemias e apoio aos Estados membros da OMS. Além disso, tive a oportunidade de participar de uma palestra, ministrada por um médico brasileiro sobre a evolução no combate ao vírus da AIDS, onde ficou evidente o quanto a ciência avançou, e o quanto a humanidade ainda tem pela frente”, destacou.

“Nossa Missão a Genebra representa exatamente o encontro do extenso conhecimento adquirido ao longo do curso com a prática das Relações Internacionais, e, em última análise, com um futuro mercado de trabalho.”

Otávio Friedrich, estudante

Já a estudante Vitória Wanner, elegeu como sua visita favorita a que fizeram à ONU. De acordo com ela, além de ter optado prestar vestibular para Relações Internacionais com a intenção de seguir carreira dentro do sistema da ONU, foi a organização que mais estudaram durante o curso. “No primeiro dia de visita, representantes da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários e do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas ministraram palestras especificamente preparadas para a recepção dos alunos, o que foi uma oportunidade única dentro de uma organização tão importante e relevante para as Relações Internacionais”, contou.

[Alunos da Unisinos que participaram o intercâmbio em abril Crédito: Divulgação

Os estudantes também visitaram associações de classe, instituições de ensino e pesquisa, representações diplomáticas brasileiras sediadas em Genebra, empresas e ONGs - como Médicos sem Fronteiras, por exemplo.

De acordo com o professor e coordenador Álvaro Paes Leme, durante as duas semanas, foram explorados, de modo pleno, todos os aspectos políticos, econômicos, sociais, históricos, jurídicos e culturais da cidade. "Dessa forma, os alunos adquirem experiência internacional com foco na formação profissional proposta pelo curso, bem como crescimento pessoal na convivência em grupo, no relacionamento com colegas e com estudantes estrangeiros da universidade parceira", afirmou.

Intercâmbio como construtor do ensino

No curso de Relações Internacionais há a compreensão de que ações com vistas à internacionalização são importantes e estratégicas. Nesse sentido, a atividade de intercâmbio curricular é obrigatória e ocorre no Programa de Aprendizagem 5. Atividades como essa tem como objetivo propiciar aos alunos contato com diferentes culturas, buscando a interação com realidades distintas e contribuindo para uma formação integral.

Sobre Genebra

Em Genebra está localizada a sede europeia da Organização das Nações Unidas e a cidade foi o berço da Liga das Nações. Também é lá que estão sediadas as mais importantes Organizações Internacionais Governamentais (OMC, OIT, OMS, OIM, OMPI, OMM, entre outras).

Além disso, Genebra também é a cidade do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Lá, mais de 200 ONGs estão igualmente localizadas. Há importantes institutos de ensino e pesquisa no campo das RI, Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário.