Estudante indígena se forma na Unisinos

Trabalho de Conclusão do aluno fala sobre sua trajetória como docente

MATHEUS N. VARGAS

Josme Fortes é o primeiro estudante indígena da Unisinos que mora em uma aldeia e fala a língua nativa e, nessa sexta-feira, 6/12, passou pela banca de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para se formar em Pedagogia. Josme vive na comunidade Por Fi Ga, que está localizada no bairro Feitoria Seller, em São Leopoldo.

Crédito: Rodrigo W. Blum

Apesar de ainda não estar com o canudo na mão, o futuro pedagogo já atua como docente em sua aldeia desde 2006. “Foi uma vitória em minha vida, só tenho a agradecer aos meus Pỹ ‘ĩ (lideranças) ”, afirmou.

Na primeira vez que entrou em uma sala de aula como professor, o formando disse que se atrapalhou um pouquinho, mas tudo deu certo. “Igual meu pai me falava: ‘o mundo nos ensina’. Agradeço muito a Tupã pela experiência, pois até então eu nunca tinha trabalhado como professor”, lembrou.

O TCC de Josme, intitulado Memórias de um professor indígena, conta sua trajetória profissional. O trabalho visibiliza a história de um professor indígena, formado por uma política pública especifica, o Plano Nacional de Formação de Professores para a Educação Básica (Parfor).

Josme crê estar representando sua comunidade e abrindo portas para que seus colegas indígenas possam também entrar na Universidade e, como ele, possam realizar seus sonhos. “Primeiramente sou grato à Unisinos, que me acolheu e, principalmente, aos professores e coordenadores, que me apoiaram, confiaram em meu trabalho e não me olharam com olhos diferentes”, afirmou.

Crédito: Rodrigo W. Blum

O orientador do estudante, professor Rodrigo Manoel da Silva, explicou que tradicionalmente temos pesquisas sobre sujeitos e coletividades indígenas, mas normalmente não são escritas por um indígena. “No caso específico desse estudo, optamos por ouvir o que um professor Kaingang tem a dizer a respeito de si, de seus valores, de sua formação e de aspectos de sua profissionalização. Ao escutarmos a sua palavra, temos aprendido com uma experiência rica de significações, de um sujeito instruído em língua portuguesa somente em idade adulta, mas com uma carga cultural e biográfica muito rica. Esse TCC, no âmbito da formação em Pedagogia, é uma escuta singular”, finalizou o orientador.