Projeto de alunas da Unisinos entre os finalistas

ALMA concorre na 8ª edição do programa Campus Mobile

RHAVINE FALCÃO

Alunas da Unisinos têm projeto entre os finalistas da 8ª edição do programa Campus Mobile, na categoria Saúde. ALMA é um aplicativo que visa facilitar monitoramento de fístula arteriovenosa em pacientes que fazem hemodiálise, utilizado em conjunto com um hardware.

Na próxima etapa do programa, as estudantes, Carolina Rosa Kelsch, do curso de Engenharia Eletrônica; Márcia Cunha dos Santos, da Engenharia da Computação; e Jaqueline Dahmer Steffenon, do curso de Ciência da Computação, terão que cumprir metas que avaliam aspectos como impacto social, inovação, design, usabilidade e implementação do produto.

“Desde o começo do desenvolvimento do projeto, contamos com o apoio de pessoas que se tornaram nossos mentores, essas pessoas são fundamentais para atingirmos as metas do programa e os objetivos do ALMA. Uma delas é a Graziela Knebel, enfermeira especialista na área e mestranda da Unisinos”, explica Jaqueline.

Alunas Campus Mobile Crédito: Divulgação

No final do programa, serão seis grupos vencedores, um de cada categoria. “Ter outras pessoas validando a ideia em que a gente acredita é a confirmação que estamos no caminho certo. Além do mais, sermos selecionadas dentre várias pessoas incríveis, capazes e competentes, dentre tantos outros projetos que são muito relevantes, só faz aumentar a vontade de trabalhar ainda mais e fazer as coisas acontecerem”, afirma Carolina.

A premiação para os projetos vencedores será uma quantia em dinheiro para investirem em suas iniciativas e uma viagem de imersão ao Vale do Silício, em São Francisco, nos Estados Unidos. Márcia ressalta a importância da validação científica do dispositivo, e conta que para isso já planejam testes em campo e a inscrição do projeto para passar pelos comitês de ética necessários.

“Acredito que o dinheiro da Campus vai ajudar muito nessa questão de teste, desenvolvendo protótipos cada vez mais próximos com nossa visão de produto. Após o programa, um desejo nosso é entrar em um bom programa de aceleração que se encaixe com o projeto”, completa.

Conheça o projeto ALMA

Alunas Campus Mobile Crédito: Divulgação

As alunas desenvolveram um sistema - um hardware integrado ao aplicativo - onde é possível visualizar veias superficiais que tem ligação com a fístula. “O objetivo é que possamos fazer um monitoramento de características da fístula, como a espessura e com esse acompanhamento frequente poder prever alterações que possam causar a estenose e trombose”, explica Jaqueline.

O ALMA é um dispositivo auxiliar preventivo. Márcia conta que, atualmente, no cuidado com a fistula arteriovenosa, o diagnóstico por imagem é realizado quando o problema já está acontecendo. “Nós queremos que as clínicas tenham uma ferramenta fácil, intuitiva, e muito acessível. Também, com um dispositivo com essas características, trazemos viabilidade de check-up frequente nos pacientes abrindo um novo campo para pesquisas que visam o melhoramento nos processos e tratamentos envolvidos na hemodiálise”, afirma.

A ideia do ALMA surgiu durante uma palestra no evento "I Inova na Saúde Unisinos", sobre "Dores na Escola de Saúde". As alunas resolveram aplicar um projeto antigo sobre visualização de veias na área de hemodiálise, para acompanhamento da fístula arteriovenosa (ligação cirúrgica entre uma veia e uma artéria utilizada no processo de hemodiálise).

“Sempre tivemos vontade de retomar o projeto, de trabalhar na área da saúde e impactar diretamente na vida das pessoas. Com a faculdade, estágio e diversas oportunidades que surgiram, o projeto ficou um pouco de lado, mas acredito que todas essas experiências só serviram para somar em conhecimento e experiência para a retomada. Ele cresceu, tomou novos rumos e assim podemos ajudar mais pessoas”, destaca Carolina.

A aluna ainda ressalta que existe muito o que desenvolver para colocar o projeto no mercado, mas acredita que o programa Campus Mobile ajuda muito na questão do empreendedorismo. “Atualmente estamos trabalhando nos testes e na validação de um primeiro protótipo, com isso podemos partir em busca de uma incubação e posteriormente uma aceleração”, finaliza.

A final

O encerramento da 8ª edição do concurso acontecerá em maio com o anúncio dos 6 projetos vencedores.