Prefeitura e Unisinos promovem qualificação para profissionais de enfermagem de São Leopoldo

ROMEU FINATO - PMSL

Ano novo, novos desafios. Com esse propósito, a Prefeitura de São Leopoldo e Unisinos concretizam mais uma ação conjunta logo no começo de 2021. Servidores da área de enfermagem terão a oportunidade de se qualificar gratuitamente no Curso de Extensão “Linha de Cuidado Materno-Infantil: consulta de pré-natal e puericultura para enfermeiros de São Leopoldo”.

Crédito: Valentin Thomaz / PMSL

O curso, que totaliza 80 horas de aulas teóricas e práticas, tem como objetivo reunir profissionais de enfermagem da Atenção Básica do Município de São Leopoldo para discutir as temáticas que buscam instrumentalizar os enfermeiros da rede para realizar a consulta de enfermagem no pré-natal, puerpério e puericultura até os dois anos de vida da criança.

A primeira aula será quinta-feira (7), de forma virtual para cada um dos 20 alunos inscritos, das 8h ao meio-dia. Sempre nas quintas e sextas-feiras, durante duas semanas, quando inicia a parte prática nas Unidades Básicas de Saúde. O secretário da Saúde Marcel Frison participará da abertura da transmissão de amanhã.

Histórico

O embrião do projeto surgiu justamente de uma tese de mestrado desenvolvida pela enfermeira Tisiane Molder, que coordena a Atenção Básica do município. O curso está inserido no projeto "Pesquisa e intervenção na enfermagem: sistematização da assistência de enfermagem para fortalecimento da Rede de Saúde de São Leopoldo/RS”, contemplado no Acordo Capes/Cofen, vinculado ao Mestrado Profissional em Enfermagem Unisinos, sob a coordenação da professora Sandra Leal. A seleção dos alunos foi em 2017 e Tisiane foi uma das aprovadas.

Para desenvolver a pesquisa, a servidora envolveu o grupo de enfermeiras da rede, criando um vínculo que perdura até hoje entre o curso de Enfermagem com a Gestão de Saúde do Município.

Integração Prefeitura e Universidade

O curso é mais uma ação em parceria entre a Prefeitura e a Unisinos, que rendeu nos últimos anos a implantação do curso de Medicina e a reforma de unidades de saúde e da clínica do Hospital Centenário, que servem como locais de prática.

“A Universidade assume seu papel na integração ensino-serviço, com a perspectiva de ampliar ainda mais as atividades prestadas à população, na medida em que contribui com a educação continuada dos profissionais de saúde das redes de atenção à saúde da região onde está inserida. É uma troca, com os servidores trazendo as demandas e construindo junto o conhecimento”, explica a professora Sandra Leal.