O tempero é o afeto

Estudantes do curso de Nutrição participam do Projeto Oficina do Sabor, levando conhecimento e carinho a idosos atendidos por instituições sociais

RENATA CARDOSO

Diz o ditado que “você é o que você come”, mas nem sempre isso é tão simples. A alimentação pode refletir uma realidade social de privações e de hábitos construídos a partir de experiências familiares muito antigas. Assim, a alimentação pode funcionar como uma poderosa aliada da saúde, ou ser uma verdadeira vilã para o organismo. Por isso, trabalhar a questão alimentar, especialmente com idosos, pode ser uma ferramenta para promoção da saúde coletiva. Nesses casos, o conhecimento é um aspecto fundamental.

O Banco de Alimentos do RS e a Unisinos desenvolvem atividades de forma conjunta desde 2003, pensando a ação social como um espaço de construção do conhecimento. Desde então, muitos estudantes e professores da Universidade passaram pela iniciativa. Atualmente, participam do Projeto Oficina do Sabor três estudantes da Graduação em Nutrição. Uma delas é a Bruna Goeth, que está no 5º semestre do curso e já sente os impactos da experiência em sua vida. “Aprendo todos os dias dentro do estágio, vendo realidades tão diferentes da minha. Além de ensinar os idosos, nós aprendemos com eles, em uma troca de informações muito rica”, salienta.

[banco de alimentos Crédito: Cesar Lopes

Para a estudante, o trabalho social é muito gratificante, pois ela sente que está fazendo a diferença. “Trabalhar com idosos é receber muito carinho e atenção, é poder estar ao lado de pessoas que passaram por muitas experiências de vida. Sem dúvidas, o trabalho social é muito importante para a carreira, pois traz muita informação, experiência, inspiração, solidariedade e afeto”, conta. Outra estudante que participa do projeto é Laís Parra, que está no 2º semestre do curso. “Eu já aprendi muitas coisas e minha visão sobre a profissão mudou. Essa experiência está me permitindo ver diferentes realidades, e isso me fez refletir sobre meu jeito de ser e me ensinou a dar mais valor às pessoas. Poder ajudar faz meus dias serem muito gratificantes”, declara Laís.

Para a professora Denise Zaffari, coordenadora do curso de Nutrição de Porto Alegre e do Banco de Alimentos/Unisinos, a experiência no projeto faz com que os estudantes ressignifiquem a sala de aula, construindo competências a partir de situações reais. “A atuação dos alunos nos projetos exercita o trabalho interdisciplinar, com ênfase no cuidado integral ao sujeito, intervindo em diferentes contextos sociais, econômicos, culturais, políticos e ambientais, problematizando e propondo soluções no seu campo profissional através da prática científica e de atitudes inclusivas, reflexivas, críticas e criativas, gerando mudanças no seu entorno”, salienta.

Nos dias combinados, os idosos vão até o Banco de Alimentos e, ao participarem das oficinas, podem tirar dúvidas e degustar as preparações, auxiliando na manutenção da saúde por meio de uma alimentação adequada. “As estudantes estimulam os idosos a fazerem as receitas em casa, ajudando a desenvolver também a motricidade fina, gerando uma atividade para que não fiquem ociosos e impactando na autoestima”, lembra Nathalia Martins, nutricionista responsável pelo projeto Oficina do Sabor.

Como funciona

O convênio entre o Banco de Alimentos e a Unisinos tem como objetivo contribuir para a promoção da qualidade de vida dos usuários da Rede Socioassistencial dos municípios de Porto Alegre e Vale do Sinos, apoiando projetos e serviços de atendimento, através de ações em Segurança Alimentar.

O Projeto Oficina do Sabor ocorre no Banco de Alimentos do RS. As oficinas culinárias são marcadas nas instituições atendidas pelo projeto. Em 2018, 337 idosos participaram das 36 oficinas realizadas e 57 alunos da Unisinos estiveram envolvidos no projeto.