No ritmo da alegria

Serviço de convivência e fortalecimento de vínculos com inclusão através da música

MICHELLI MACHADO
10 de Fevereiro de 2017 - 09:43 | Atualizado: 10 de Fevereiro de 2017 - 10:55

O Vida com Arte nasceu com o objetivo de potencializar as iniciativas da Ação Social da universidade e da Orquestra Unisinos Anchieta. O projeto transformar a vida de crianças e adolescentes da rede pública de ensino por meio da música. Os alunos recebem os instrumentos em sistema de comodato e são atendidos por 25 profissionais divididos em professores instrumentistas, professores de musicalização, psicólogos e uma assistente social.

O Vida com Arte conta atualmente com duas orquestras de cordas, dois grupos de percussão, dois grupos de musicalização e o coral. A iniciativa busca prevenir situações de risco e fortalecer do vínculo familiar e comunitário. Através da música, serão trabalhadas questões como solidariedade, capacidade individual, superação dos limites e autoestima.

[No ritmo da alegria

A gigante do violoncelo

Luiza, 12 anos, está há 3 anos no projeto e desde que chegou no Vida com Arte se encantou pelo violoncelo. Quando pergunto à menina por que escolheu o instrumento ela responde com a simplicidade de quem é apaixonada pela música. “Eu me interessei porque ele dá mais som, ele ganha vida”, afirma. Luiza foi arrebatada pela vibração do violoncelo, pela ressonância do instrumento. 

A integrante do projeto conta quem em apenas duas aluas já estava conseguindo tocar algumas notas. Quem observou que a menina poderia ter dom para música foi o pai. “O meu pai me trouxe para o projeto, ele ficou sabendo do Vida com Arte e perguntou se eu e queria participar. Quando eu cheguei aqui e vi os instrumentos foi muito legal, adorei poder escolher o instrumento que iria tocar”, relata Luiza, que diz que no Vida com Arte aprendeu mais do que tocar um instrumento. "Aprendi muita coisa no projeto, além de tocar o violoncelo ele me ensinou a gostar de tudo, a gostar de mim, a gostar das coisas, de música, de cultura, a ser feliz”, observa a menina, com um sorriso tímido. 

Quando a música transborda as aulas

Samira, 13 anos, está no projeto desde os 7, quando o Vida com Arte iniciou. “A professora Ana, que dava aula de coral na minha escola, me convidou para conhecer o projeto e eu comecei a vir com ela”, lembra. Este foi o primeiro passo de Samira em direção à música, e de lá para cá, não parou mais. 

A estudante conta como acontece a escolha do instrumento pelos alunos e diz porque optou pelo violino. “Um professor de cada instrumento explica como ele funciona para a gente poder escolher o que mais gosta. Eu me interessei mais pelo violino porque eu já tinha visto mais pela televisão, as músicas que a professora dava tinham mais sons de violino e eu achava bonito”, explica.

Além de tocar violino, estar no projeto trouxe outros aprendizados à vida de Samira. “Participar do Vida com Arte me fez acreditar que eu sou capaz de fazer as coisas, me fez ser mais alegre. Quando estou triste eu pego o meu violino e ele faz eu me sentir melhor. Eu gosto muito do violino, o mundo da música faz a gente ter um futuro melhor”, afirma.

“Eu gosto de todo o tipo de música, sendo música, pra mim tá bom. Já estou tocando no violino as canções que eu escuto, tirei aquela “Avião sem asa” do Claudinho e Bochecha, sabe? O depoimento da menina comprova que seu amor pelo violino já transbordou as aulas.

Esta matéria foi realizada em meados de 2016, referente ao Balanço Social 2015.