Estudo sobre anfíbios costeiros vira livro

Publicação é escrita em três idiomas e traz informações em ícone

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

Compartilhe esta página

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Unisinos lançará, em agosto, um livro sobre anfíbios costeiros do sul do Brasil e do Uruguai. A publicação resumirá mais de 15 anos de pesquisas na região que abriga a maior extensão litorânea do mundo, bem como mostrará a diversidade de formas de vida encontradas no local.

Coordenada pelo professor da Unisinos Alexandro Marques Tozetti, a investigação aconteceu com mais intensidade na última década, quando foram feitas expedições para catalogar as espécies de anfíbios. Para tanto, empregaram-se técnicas de análise como armadilhas, gravações de canto, procura visual noturna e mesmo escuta de relatos de outros estudiosos. Com os dados coletados, os pesquisadores criaram uma lista representativa e confiável da fauna observada.

[Sapo de chifre Crédito: Autoria desconhecida

“A quantidade de animais da maioria das espécies é muito grande, acima dos padrões para habitats costeiros e com baixa densidade de cobertura vegetal”, relata Tozetti. “Há algo que ainda não entendemos sobre como uma exuberância tão grande de organismo pode viver em um habitat aparentemente tão pouco produtivo, como os cordões de dunas. Isso ainda nos intriga, mas provavelmente está relacionado com a variedade de habitats associado às dunas, como manchas de restinga e lagoas temporárias.”

No livro, os autores compartilham conhecimento de forma clara e didática, para todos os públicos. Além disso, ao darem visibilidade às espécies, os pesquisadores pretendem conscientizar sobre habitats que vêm sucumbindo à exploração imobiliária e à conversão de suas áreas em plantações de Pinus e Eucalipto, bem como a empreendimentos cujos impactos ambientais nem sempre são bem avaliados.

E a pesquisa não termina aqui: “Ela deve continuar por muitos anos, pois seus objetivos ainda não foram completamente alcançados. Ainda falta localizar no Brasil a população de uma espécie que não é vista há quase cinco décadas, o sapo de chifre. Ele é a capa do livro que estamos produzindo. Seu último registro no país foi feito na década de 80. Acreditamos que ele persiste no nosso litoral e temos esperança de encontrá-lo”, comenta Tozetti.

[Sapo de chifre Crédito: Autoria desconhecida

O estudo também conta com a participação dos professores Raùl Maneyro da Universidad de la Republica (Uruguai) e Daniel Loebmann (Universidade Federal do Rio Grande), e do doutorando Luis Fernando Marin da Fonte (Universität Trier, Alemanha).

Para tirar o livro da gaveta

O livro Anfíbios - Planícies costeiras do Uruguai e Brasil subtropical será lançado em agosto, após a conclusão de uma campanha de financiamento coletivo para cobrir os custos finais da publicação. Ele é escrito em três idiomas (português, inglês e espanhol) e apresenta as principais informações das espécies em forma de ícone, para que mesmo pessoas recém alfabetizadas consigam compreendê-las.

A campanha é online (Catarse) e segue até 20 de julho. “Falta muito pouco para podermos finalizar essa etapa e ‘tirar o livro da gaveta’. Com as doações, as pessoas vão viabilizar a publicação do material e boa parte da tiragem será doada a escolas e bibliotecas, ajudando a disseminar o conhecimento”, argumenta Tozetti.

As contribuições podem ser pequenas, a partir de R$ 10. Doando R$ 25 ou mais, a pessoa recebe brindes, como ímãs de geladeira, ecobags e camisetas. Todas as recompensas foram produzidas especialmente para promover o livro e agradecer pelo apoio. Há, inclusive, uma opção em que o doador ganha passaporte para acompanhar uma expedição com o grupo de pesquisadores.

Saiba mais e contribua pelo site da campanha.