Alunas do curso de Fisioterapia criam projetos com canos de PVC

A partir de um tutorial, protótipos poderão ser desenvolvidos em casa

MICHELLI MACHADO

Cinco alunas da disciplina de Biomecânica de Órteses e Próteses, do curso de Fisioterapia, da Escola de Saúde da Unisinos, criaram projetos com canos de PVC, para facilitar o dia a dia de quem mais precisa. Mayara Scherer e Nathália Scheid, se dedicaram à produção de um andador infantil convencional, Bruna Silveira e Martina Kuplich, produziram um andador infantil traseiro, enquanto Hyngrid Alves desenvolveu o projeto do dispenser para álcool em gel. As três iniciativas contam com tutoriais, feitos pelas estudantes, o que possibilitará que os protótipos sejam desenvolvidos em casa, pela comunidade em geral. Os projetos são um andador infantil convencional; um andador infantil posterior e um dispenser para álcool em gel, com acionamento pelo pé.

“A ideia de trabalhar com a elaboração de tecnologias assistivas é uma proposta da disciplina de Biomecânica de Órteses e Próteses, com o objetivo de aguçar o olhar dos acadêmicos quanto às possibilidades de adequações a serem proporcionadas aos pacientes atendidos ou ambientes em que transitam”, explica a professora da disciplina Fábia Krumholz.

O projeto da elaboração de andadores infantis surgiu a partir de uma demanda de alunos de outra atividade acadêmica do curso de Fisioterapia, que acontece na modalidade ensino serviço, junto a uma comunidade próxima à Unisinos. “Os andadores ficarão à disposição dos alunos para que sejam usados nas atividades de ensino serviço ou estágio curricular junto às comunidades atendidas pelo curso. Entretanto, com a realidade do distanciamento social que estamos passando, surgiu a ideia de elaborar um tutorial para ser disponibilizado nas redes sociais do curso para orientar a construção deste equipamento, que tem como objetivo auxiliar no desenvolvimento motor de crianças com atraso na aquisição da caminhada, para que estas famílias que estão no isolamento, sem receber o suporte dos atendimentos presenciais, possam continuar estimulando suas crianças a partir de um acompanhamento remoto”, conta Fábia.

Uma outra iniciativa produzida na disciplina foi a construção de um dispenser para álcool em gel, acionado pelo pé, para evitar a contaminação pelo manuseio. “O diferencial desse dispenser, além do acionamento por pedal, é a possibilidade de mobilidade que ele proporciona. Ele pode ser transportado conforme a necessidade de uso, podendo ser utilizado em ambientes externos, auxiliando na adequada higiene das mãos nesse período”, destaca a professora. O modelo construído pela aluna ficará à disposição do curso para uso conforme demanda de atividades, quando as aulas presencias forem retomadas..