Como se fosse em Marte

Estudante da Unisinos realizou pesquisas com rochas semelhantes às do planeta vermelho

BETINA ALBÉ VEPPO
21 de Setembro de 2015 - 11:51 | Atualizado: 21 de Setembro de 2015 - 13:39

É possível perceber nas palavras dela o amor pela Geologia. A chance de Graziele Rogowski fechar as malas e rumar para os Estados Unidos surgiu em agosto do ano passado, quando soube que seria uma das contempladas pelas bolsas do programa Ciência sem Fronteiras. Nos Estados Unidos, Graziele ingressou na University of Colorado Boulder, onde pôde analisar rochas que se assemelham aos processos existentes na Terra para compreender a história geológica de Marte, principalmente no que diz respeito à evolução de sua atmosfera e à possível presença de água e vida no planeta. “Essa oportunidade surgiu durante a aula do professor Brian Hynek. Ele falava sobre seus trabalhos em aula e, um dia, mencionou sua pesquisa principal sobre Marte. Como sempre me interessei pela área de Ciência Planetária, e como eu estava me destacando na disciplina deste professor, entrei em contato, mencionando meu desejo de integrar seu time”, conta. O interesse do professor fez com que Graziele prontamente fosse incluída no programa de Estágio de Verão. Além disso, foi convidada a assistir às aulas do programa de pós-graduação sobre temas relacionados a Marte como aluna ouvinte, para que pudesse adquirir mais conhecimento sobre a pesquisa.

[Estudante realiza pesquisa com rochas semelhantes as de Marte

Com o prévio conhecimento sobre técnicas microanalíticas (Difração de Raio-X, Microssonda, Petrografia e Raman), a estudante do curso de Geologia da Unisinos auxiliou o grupo de pesquisa no estudo de alterações de rochas vulcânicas da Nicarágua e da Costa Rica. Os resultados estão sendo usados como análogos de processos hidrotermais que ocorreram no passado de Marte. O objetivo principal da pesquisa é compreender paleoambientes e a potencialidade para a vida durante a história geológica do planeta Marte. "Esta pesquisa, para mim, como estudante e amante da ciência, é importante por dois aspectos: (1) pela possibilidade de aplicar a geologia comparada para entender processos que ocorrerem em outros planetas, usando analogias com a Terra, que, muitas vezes, é excluída do contexto astronômico (pois a Terra também é um planeta e passou por processos semelhantes aos de outros corpos do Sistema Solar); (2) mais profundamente, essa pesquisa está ligada a uma das maiores questões da ciência, que é a possibilidade de existência de vida em outros lugares que não a Terra", explica.

Em relação ao contato com os pesquisadores, Graziele afirma que se o aluno se dedica, há bastante espaço para pesquisa, mesmo durante a graduação. Logo que chegou lá, conta ela, questionava-se sobre o potencial do Brasil, e até mesmo da Unisinos, em relação aos Estados Unidos. "Senti que a preparação que tive ao longo de meu trabalho de pesquisa no Brasil foi fundamental para me dar a maturidade necessária para aproveitar as oportunidades aqui nesta universidade", conta a estudante, ao afirmar que, apesar da dificuldade de adaptação a uma nova cultura, não teve problemas com o idioma nem com o conteúdo, muitas vezes alcançando as melhores notas em um grupo de 100 alunos. "Muitas vezes, posso até dizer que algumas aulas ministradas na Unisinos foram melhores do que as aulas que tive aqui, na Universidade do Colorado. Isso me deixa bastante contente, pois sei que, quando voltar, estarei no lugar certo, para que eu possa crescer ainda mais".

[Estudante realiza pesquisa com rochas semelhantes as de Marte

Graziele destaca a oportunidade recebida foi fundamental para sua carreira, pois a universidade apresenta pesquisas de peso na área aeroespacial e de ciência planetária. Um grande exemplo é a sonda MAVEN, que foi inserida na órbita de Marte em setembro do ano passado. A pesquisa é liderada por um geólogo da universidade com apoio da NASA, e seu objetivo é compreender a evolução da atmosfera de Marte. "Foi muito emocionante ver a comemoração da equipe aqui na universidade, quando a sonda entrou em órbita com sucesso. Realmente, estou no lugar certo", conta. Logo no início do intercâmbio, Boulder impressionou a brasileira, pois demostrou que, apesar de ser uma cidade pequena, oferece muito conteúdo cultural à população.

Hoje, de volta ao Brasil, Graziele afirma ter planos de aplicar os estudos feitos ao seu trabalho de conclusão. Segundo ela, colaborar de alguma maneira com a universidade, trazer o que aprendeu ao Brasil, é um dos primeiros objetivos. A longo prazo, pretende seguir na área acadêmica. "Continuar os estudos e trabalhar com pesquisa é o meu foco. Tenho acumulado grandes experiências no campo de ciências planetárias, o que me impulsiona a seguir nesta área. Fazer pós-graduação no exterior será o próximo passo". A docência também está incluída em seus planos. "Gostaria, também, de ter a oportunidade de lecionar, pois, como estudante, vejo o quão importante é termos pessoas engajadas na divulgação científica e motivadas a ensinar não apenas o que está nos livros, mas também que tenha vontade de ir além e inspirar as futuras gerações – como eu fui inspirada por diversos professores especiais durante a graduação", relata. Desde os primeiros dias do curso de graduação, a aluna afirma ter traçado metas de carreira e, com o apoio das pessoas certas, alcança-as pouco a pouco.