Novas realidades: um dia dedicado a compartilhar experiências de vida

TEDxUnisinos 2017 contou com speakers nacionais e internacionais, além da atração cultural Dingo Bells

LAURA HAHNER NIENOW E LORENZO PANASSOLO

Nesta sexta-feira, 27 de outubro, 12 realidades foram contadas no palco do TEDxUnisinos 2017, um momento para compartilhar experiências. O evento, que ocorreu no Teatro Unisinos, no Campus Porto Alegre, trouxe speakers nacionais e internacionais com histórias e trajetórias únicas. Na apresentação, a Hostess Carol Anchieta e o Host Gustavo Borba.

Doutor em Comunicação e Cultura, Gustavo Barreto foi o primeiro palestrante do evento. Desde cedo, trilhou seu caminho na área da Comunicação, consciente que este seria o rumo correto. Aos 18 anos, foi voluntário do Greenpeace e fundou a revista consciência.net, projeto que existe há 17 anos e que ainda colabora. No palco, Gustavo falou sobre a sua trajetória com refugiados e migrantes. “As pessoas em vários lugares do mundo estão isoladas, sem tecnologia e informação. Porém, são pessoas, e muito inteligentes. Basta conversar com eles, que você verá”, afirmou. O primeiro palestrante contou que viajou para países como Grécia, França, Turquia, lugares onde só afirmaram o que ele pensa. “Eu me nego a chamar uma pessoa de ameaça, de ilegal. O preconceito é burro”, finalizou.

Pâmela Ghilardi foi a segunda speaker que subiu no palco para falar um pouco sobre sua realidade com a maternidade. Pâmela é dona do blog Fofoca de Mãe, criado há quatro anos. Lá ela escreve sem tabus sobre a experiência de ser mãe. Aos 20 anos, a blogueira viu seu mundo desabar quando descobriu a gravidez. Solteira e sem um relacionamento com o pai da criança, encontrou conforto na interação com seus seguidores e percebeu não ser a única a enfrentar dificuldades. Pâmela nunca teve um plano de vida profissional ou pessoal. “Eu não queria ser mãe”, contou. Pâmela disse que fundou o blog com intuito de compartilhar toda aquela nova vida e, por consequência, encontrar e ajudar outras mães. “Eu que não tinha um plano de vida. Hoje, quero mudar o mundo”, terminou.

Futurista por profissão, Jean-Christophe Bonis analisa as inovações e as novas tecnologias ao redor do mundo, procurando entender o impacto na sociedade e no comportamento humano. Por não se tratar de um “trabalho muito comum”, como ele define, decidiu lançar a Oxymore, uma empresa criada justamente para atender a um nicho de mercado que pensa no futuro das comunicações. Fundador e CEO de sua empresa, Bonis também é professor e consultor na área futurista. “Ficamos surpresos como a tecnologia se desenvolveu em tão pouco tempo. Mas ao longo desse processo descobrimos que nos tornamos escravos da revolução digital”, declarou Bonis ao afirmar que ainda acredita que os seres humanos devem estar no controle das tecnologias, utilizando-as como forma de ajuda e não ao contrário.

[ Crédito: Dani Villar

“Como as pessoas vão interagir com as cidades?”, com essa pergunta, o publicitário pernambucano Edgar Andrade, começou a falar sobre mudanças de comportamento. Graduado em Publicidade e Propaganda, ele é sócio-fundador do laboratório de fabricação digital, Fab Lab Recife. A partir de seus projetos, ele sonha construir um “amanhã” melhor do que o atual, juntando gente diferente, desejos, pessoas e cidades. Durante anos, refletiu sobre como devemos controlar o consumo e o que devemos deixar para nossos filhos. “Eu acredito que o legado não é o dinheiro, é a capacidade de ver o mundo e perceber que ele é grande. De olhar para o vizinho, perceber que ele está com problemas e ajudá-lo”, afirmou.

Formado em Comunicação Digital pela Unisinos, Pablo Aguiar também é ilustrador e diagramador. Morador da cidade de Alvorada, ele contou que adora desenhar desde criança. Quando ia estudar no Campus São Leopoldo, o palestrante não largava o lápis e o papel no trem. “Quando eu ia pra universidade, durante o caminho, eu desenhava os passageiros em forma de quadrinhos”, afirmou. Após expandir os horizontes através de um intercâmbio, Pablo criou o projeto “Recortes no Metrô”, ideia iniciada nos trajetos para a universidade. Hoje, depois de entrevistar 23 moradores locais de Alvorada, o egresso da Unisinos produziu o livro de quadrinhos chamado “Histórias de Alvoradas”, no qual conta alguns relatos de como as pessoas veem a cidade.

[ Crédito: Dani Villar

No palco do TEDxUnisinos, Christina Dias falou sobre a importância do brincar na formação do ser humano como um personagem atuante na arte. Chris é graduada em Letras pela UFRGS e com especialização em Psicopedagogia. De acordo com ela, ler e brincar fazem parte do mesmo lugar. “A brincadeira, a gente nunca sabe quem inventou, quem ensinou e quem criou as regras. A brincadeira nos conecta com a ancestralidade”, contou. O brincar não é uma brincadeira, é questão de espaço, tempo e possibilidade. Brincar é pensar, fazer e agir. Em 2014, Chris Dias percebeu a necessidade de promover a interação entre as pessoas. Foi aí que nasceu o Projeto Kombina, um centro cultural móvel, que leva diferentes formas de arte e promove a produção e construção artística de maneira interativa. “A arte existe porque a vida não basta”, finalizou Christina.

Músico, ator, compositor, multi-instrumentista, arranjador e principalmente humorista, Hique Gomez falou sobre a “Escuta Consciente”, planetas e as características de uma orquestra. “A orquestra pode ser o espelho de uma sociedade, um exercício permanente de democracia. Temos que fazer a nossa parte, sempre respeitando o outro”, afirmou. Nos palcos pelo mundo, Hique se encontrou e encantou pessoas de diversas gerações e lugares. Espetáculos como, “Tangos & Tragédias”, o qual foi criador e ator principal junto com Nico Nicolaiewsky, esteve em cartaz durante 30 anos no Brasil e fora do país. Durante sua apresentação no TEDxUnisinos, o músico mostrou sinfonias que recebem nomes de planetas, fez uma breve apresentação com um violino e criticou o modo em que a sociedade vê a música. “As pessoas ouvem músicas para fazerem outras coisas, não param para escutá-las realmente”, completou.

[ Crédito: Dani Villar

Em meio a 12 palestras, o momento de intervalo contou com uma atração cultural, a banda Dingo Bells. A história dos primos Rodrigo Fischmann e Felipe Kautz e do amigo Diogo Brochmann iniciou ainda no Ensino Médio, quando os três se juntaram para tocar algumas músicas. Em 2015, o primeiro single “Maravilha da Vida Moderna” lançou-os nacionalmente. O álbum trouxe temáticas do cotidiano das pessoas e questionamentos sobre contemporaneidade. No final da manhã, o grupo subiu no palco e animou o público do TEDxUnisinos com seus sucessos e apresentou uma música do próximo álbum.

Uma reflexão sobre o espaço e o tempo em que vivemos

A palestra que abriu as atividades na parte da tarde foi ministrada pelo Geólogo, Gerson Fauth. Ele entrou para o quadro de professores da Unisinos em 2006. Cinco anos depois, tornou-se coordenador do Instituto Tecnológico de Micropaleontologia da Unisinos - itt Fossil. Com o “tempo geológico” como pauta, o palestrante abordou a história do planeta de um jeito diferente. ”Hoje eu vim falar sobre o tempo, mas não do “tic-tac” do relógio. Eu vim falar sobre o tempo geológico”, afirmou. Durante a palestra, Gerson usou a metáfora do horário para explicar fatos históricos que aconteceram no mundo. O geólogo também contou que através de alguns fragmentos encontrados dentro das rochas, conseguimos descobrir a sua idade, origem e características pessoais sobre o exemplar.

Poh Tan é natural da Malásia, doutora em Medicina, especialista em células tronco, está finalizando o segundo doutorado na área da Educação. Mas não foi sobre isso que Poh Tan veio contar no TEDxUnisinos. Ela disse que nada teria realizado se não fosse um professor que teve aos 13 anos. “Eu tinha que apresentar um trabalho e tinha horror de falar em público, mas ele disse que acreditava em mim e isso me fez tomar coragem”, contou. Poh trouxe junto com ela um exemplar do jornal que escrevia para a escola. Naquela edição, ela relatou sobre o episódio da apresentação do trabalho. O professor, ao ler o relato da aluna, escreveu para ela “eu tenho muito orgulho de você”, e mais uma vez as palavras motivaram Poh. “Ele não é só um professor, ele é um professor que se importa com cada um de seus alunos”, concluiu.

Aplaudida de pé no teatro pelo público do TEDxUnisinos, a PhD em Química pela Universidade de Harvard, Estados Unidos, Joana Félix, sempre teve o sonho de vestir um jaleco branco. Quando criança, sua mãe, que trabalhava como empregada doméstica, lhe ensinou a ler. Com apenas 4 anos de idade, ingressou na 1ª série do Ensino Fundamental. No terceiro ano do Ensino Médio, a palestrante contou que ouviu pela primeira vez a palavra “vestibular”. Com a situação financeira precária da família, ela teve que achar alguma maneira para ingressar em uma universidade. “Estudei para a prova durante o ano todo através de apostilas oferecidas por uma professora. Aos 14 anos, fui aprovada em diversas universidades de São Paulo”, afirmou.

[ Crédito: Dani Villar

Durante a palestra, a PhD falou sobre algumas pesquisas e desenvolvimentos que foram usados em diferentes tipos de transplantes. Hoje, depois de conquistar 60 prêmios nacionais e internacionais, Joana auxilia alunos carentes a ingressarem em universidades, e declarou que esse processo deve começar com antecedência. “O estímulo deve começar cedo para ser desenvolvido durante anos”, completou.

Mesmo ainda sendo estudante, Mayara Floss já sabe o caminho que vai trilhar depois de concluir a graduação em Medicina. E foi sobre isso que ela falou no palco do TEDxUnisinos. Experiências na Irlanda, pelo Ciências sem Fronteiras, e em Pernambuco fez a estudante de medicina se encontrar na área. Ela se dedica a trabalhar com saúde rural. A necessidade de conversar sobre populações e contextos que não são vistos é estudada por Mayara desde o primeiro ano do curso de Medicina, em 2010, quando criou junto com colegas o projeto Liga de Educação em Saúde. “A primeira vez que vi as mãos de um trabalhador rural, eu vi que queria trabalhar para com aquelas pessoas”, contou. Com o diploma em mãos, Mayara tem como objetivo se especializar em Medicina de Família e Comunidade Rural. “Vou continuar trabalhando até que todos tenham saúde, até nas áreas rurais”, concluiu.

“De que são formados os átomos?”, com esse questionamento, o último palestrante do TedxUnisinos, Antônio José Roque da Silva, introduziu seu assunto. PhD em Física pela University of California at Berkeley, ele é diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncotron - LNLS, no qual trabalha em um dos projetos mais revolucionários da ciência brasileira: Sirius. Com características inovadoras, o programa será um acelerador de partículas de 4ª geração do mundo. Durante a palestra, o orador contou a história dos átomos, suas características e como os físicos estudam essa matéria. Também relatou que o Brasil é responsável pela única operação de fonte de luz síncrotron da América Latina. “Com instalações abertas, o LNLS atende pesquisadores acadêmicos e industriais de diversos países para ser centro de estudo. É o projeto mais bem-sucedido da ciência brasileira”, enfatizou.

[ Crédito: Dani Villar

Ao fim do evento, os palestrantes foram chamados ao palco, na companhia de todos que ajudaram na organização para receberem os cumprimentos da plateia, encerrando assim o TEDxUnisinos 2017, que apresentou mais uma edição de sucesso.

Acesse o flickr do TEDxUnisinos e confira as fotos do evento.