Como nascem as canções?

Show com a dupla Kleiton e Kledir encerra oficina de Criação de Música Popular

MICHELLI MACHADO
14 de Setembro de 2015 - 14:26 | Atualizado: 14 de Setembro de 2015 - 17:02

Nos dias 10 e 11 de setembro, a Unisinos foi palco de muita música, criatividade e cultura. O projeto Letra e Música, patrocinado pela GVT, trouxe aos apaixonados por canções populares uma oportunidade única de unir teoria e prática e ainda ter contato com uma importante dupla do cenário musical gaúcho. 

[Workshop ocorreu um dia antes do show

A atividade, que aliou todos esses ingredientes, foi a oficina de Criação de Música Popular, ministrada por Kleiton e Kledir. Quem participou do curso pôde estudar e analisar vários clássicos do nosso cancioneiro e, por intermédio deles, desvendar os segredos e os métodos de composição de grandes mestres da MPB, como Tom Jobim, Chico Buarque, Nana Caymmi, Vinicius de Moraes, entre tantos outros. 

“A música popular tem pouca coisa documentada, todo método de música é ligado à música clássica, erudita”, diz Kleiton. Para o compositor, o projeto surgiu justamente, para suprir essa carência e já existe há uns dez anos. “Nós fizemos essas oficinas em universidades do Brasil todo, mas é a primeira vez que essa iniciativa acontece aqui no Sul. O workshop e o show são ligados, porque a música composta hoje será apresentada amanhã (sexta-feira, 11) durante o show. O método que a gente ensina é ritmo, harmonia, melodia e letra”, explica Kleiton. 

[Workshop ocorreu um dia antes do show

Letra e Música

Os aspirantes a compositores que participaram da oficina foram estimulados a criar uma canção sob a orientação da dupla. A música, além de ser gravada em um CD, fez parte do repertório do show, com a participação da turma. 

“A experiência é enriquecedora para nós e para os participantes da oficina. Queremos trocar ideias, trocar figurinhas, porque temos uma longa trajetória compondo músicas e queremos dividir isso com as pessoas, principalmente com os mais jovens, que estão começando a compor. E eles também sempre têm coisas para nos ensinar”, afirma Kledir. “O mais enriquecedor é a troca, o encontro entre pessoas, a criação coletiva. Acho que a gente está exercitando o futuro, porque, no futuro, acredito que 70% das pessoas vão ser artistas, as pessoas vão ter mais tempo para exercitar a criatividade. Tecnicamente falando, os participantes da oficina saem com a visão de um método prático e eficaz para compor canções”, complementa Kleiton.

No workshop trabalhou o estudo das estruturas musicais e as várias maneiras de compor uma canção. Durante a aula, foram realizados exercícios interativos, de audição, projeção de letras e partituras e apresentação de cifras, acordes e notas musicais. “O workshop são duas partes. A primeira é a desconstrução, onde a gente passa exemplos da música popular, analisamos obras criadas no Brasil, ao longo das décadas, e ensinamos o método. A segunda parte é a hora de colocar a teoria em prática e fazer as composições. As músicas ficam lindas”, conta Kleiton.

Além da Unisinos, outras três instituições de ensino participaram dessa iniciativa cultural: PUCRS, UFRGS e Ulbra. Ao final das oficinas, serão produzidos mil CDs com todas as composições desenvolvidas nestas atividades. O material será distribuído entre patrocinador, universidades, alunos e a dupla de músicos.

No ritmo certo

“O workshop tem o objetivo de ensinar a compor música popular e o show é lazer, diversão e estreia dessas pessoas. Para a gente, é bacana porque nos aproxima da comunidade”, ressalta Kleiton. 

“A criação em equipe é caótica, mas eu gosto. Tem um ditado chinês, que segue essa ideia, que diz: ‘Só todos sabem tudo’”, destaca Kledir.

Apesar da preparação ter durado apenas um dia, não faltou empolgação na estreia. Depois de quase cinco horas de workshop, os participantes da oficina estrearam em grande estilo, apresentando a nova composição em um show com Kleiton e Kledir. “Ritmo é o alicerce da canção”, afirmou Kledir, e isso não faltou ao grupo.