Postado por admmkt smarço - 28 - 2012 0 Comentário

Banca de Qualificaç​ão – Doutorado

Aluna: Vanessa de Oliveira Dagostim Pires

Título: “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ACADÊMICOS SURDOS EM AMBIENTE DIGITAL”

Data: 04 de abril de 2012
Horário: 14h
Local: 3A 301

Comissão Examinadora:
Profa. Dra. Ana Claudia Balieiro Lodi (USP)
Profa. Dra. Cátia de Azevedo Fronza (UNISINOS)
Profa. Dra. Dorotea Frank Kersch (UNISINOS)
Profa. Dra. Ana Maria de Mattos Guimarães (Orientadora)

Postado por admmkt smarço - 14 - 2012 0 Comentário

Banca de Dissertação – Mestrado

Aluna: Andréia Gulielmin Didó

Título: “PARECERES DESCRITIVOS DE ALUNOS SURDOS: REVELAÇÕES SOBRE SEU DESEMPENHO EM LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL”

Data: 22 de março de 2012
Horário: 14h
Local: 3A 301

Comissão Examinadora:
Profa. Dra. Maria Cristina da Cunha Pereira-Yoshioka (PUC-SP)
Profa. Dra. Dinorá Moraes de Fraga (UNISINOS)
Profa. Dra. Cátia de Azevedo Fronza (Orientadora)


PARECERES DESCRITIVOS DE ALUNOS SURDOS: REVELAÇÕES SOBRE SEU DESEMPENHO EM LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL

Andréia Gulielmin Didó

RESUMO

Esta dissertação tem como objetivo refletir sobre como se constitui o parecer descritivo de Língua Portuguesa referente ao desempenho de alunos surdos de uma escola de ensino fundamental da rede municipal da região metropolitana de Porto Alegre, e, a partir disso, verificar concepções acerca da aprendizagem da Língua Portuguesa escrita indicadas por vozes que permeiam este documento. Para tal fim, além do contato com as professoras dos alunos, de observações de aulas, com o apoio da equipe diretiva, foram tomados para análise pareceres descritivos de 15 alunos surdos dos ciclos I, II e III, elaborados semestralmente no ano de 2010. A reflexão sobre tais dados toma por base estudos que se voltam ao percurso da educação de surdos e ao ensino e à aprendizagem de línguas, mais especificamente Língua Portuguesa e Libras, trazendo pressupostos de Vygotsky quanto ao desenvolvimento intelectual e aprendizagem, concepções bakhtinianas sobre linguagem, complementadas por investigações sobre o gênero parecer descritivo. Entre as constatações deste trabalho, ressalta-se que o parecer descritivo constitui-se como preceito sobre o
sujeito surdo, o qual tem seu registro centrado na busca pela adequação, normalização desse sujeito a partir de saberes já construídos. Esses documentos, portanto, não registram o nível de conhecimento linguístico dos alunos, priorizando aspectos comportamentais. No diálogo possibilitado pelos dados que foram sendo gerados ao longo do estudo com as pesquisas que alicerçaram as discussões, reforça-se a necessidade de mais reflexões acerca da avaliação dos alunos surdos e sobre todo o cenário dos processos de ensino e de aprendizagem no qual se configura a educação de surdos e, neste caso, o acesso à sua língua e à da comunidade ouvinte.

Palavras-chave: Libras. Língua Portuguesa. Surdos. Avaliação. Parecer descritivo. Educação de surdos.

Postado por admmkt sfevereiro - 24 - 2012 0 Comentário

Banca de Dissertação – Mestrado

Aluna: Conie Helena Smolinski

Título: MYPENGUINPAL O DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA LINGUÍSTICA ATRAVÉS DO JOGO CLUB PENGUIN”

Data: 07 de março de 2012
Horário: 13h30
Local: 3A 316

Comissão Examinadora:
Prof. Dr. Rafael Vetromille-Castro (UFPel)
Profa. Dra. Isa Mara da Rosa Alves (UNISINOS)
Profa. Dra. Ana Maria Stahl Zilles (Orientadora)


MYPENGUINPAL
O Desenvolvimento da Proficiência Linguística através do Jogo Eletrônico
Club Penguin

Conie Helena Smolinski

O presente estudo investiga o que aconteceu com a inserção do jogo eletrônico Club Penguin (disponível em videogame e em ambiente virtual – www.clubpenguin.com) nas aulas particulares de inglês como segunda língua (L2) a alunos gêmeos, de 7 anos, em processo de alfabetização. O advento da tecnologia trouxe consigo uma cultura própria – a cibercultura, que também envolve as crianças e que pode ser explorada para potencializar a aprendizagem. Utilizamos, nesta pesquisa, uma base teórica sociocultural, fundamentada no trabalho de Vygotsky, e fizemos uma releitura desta, considerando-a para o contexto de jogos eletrônicos. Os dados foram coletados utilizando-se gravações de áudio e vídeo, bem como diário de campo e documentos gerados nas aulas, durante o segundo semestre de 2010. Através de análise qualitativa, verificamos que as características do brincar e do aprender se ampliam no ambiente digital, bem como as possibilidades de interações entre os jogadores. Observamos que os participantes desta pesquisa tiveram avanços na ZDP, propiciados pela prática do andaimento entre pares ou com a professora. Eles também se apropriaram de vocabulário, de estruturas e da cultura da língua alvo, aumentaram o tempo dedicado ao jogo (e, consequentemente, ao estudo da L2) e ampliaram o uso da L2 em aula.

Palavras-chave: jogos eletrônicos, cibercultura, segunda língua (L2), Club Penguin,
zona de desenvolvimento proximal (ZDP), andaimento.

Postado por admmkt sfevereiro - 23 - 2012 0 Comentário

Banca de Dissertação – Mestrado

Aluno: Ygor Corrêa

Título: “O AGIR LINGUAGEIRO NA PERSPECTIVA DOS SISTEMAS ADAPTATIVOS
COMPLEXOS EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EM EAD”

Data: 24 de fevereiro de 2012
Horário: 9h
Local: 3A 316

Comissão Examinadora:
Prof. Dr. Vilson José Leffa (UCPel)
Profa. Dra. Marília dos Santos Lima (UNISINOS)
Profa. Dra. Dinora Moraes de Fraga (Orientadora)


O AGIR LINGUAGEIRO NA PERSPECTIVA DOS SISTEMAS ADAPTATIVOS
COMPLEXOS EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EM EAD

Ygor Corrêa

O presente estudo concebe o papel central da língua no desenvolvimento
humano por meio de um agir linguageiro. Nessa perspectiva, compreende-se que a
linguagem se situa em práticas interacionais e está em permanente transformação. Este
estudo tem caráter empírico de cunho qualitativo, inserido na plataforma Moodle,
investigando a especificidade das interações realizadas em Chats, em uma disciplina de
Ensino à Distância (EAD) na perspectiva da Teoria da Complexidade (GLEICK, 1994;
JOHNSON 2003; LARSEN-FREEMAN 1997, 2008, 2009; MORIN, 2008) e do
Interacionismo Sociodiscursivo – ISD (BRONCKART, 1999, 2008). A compreensão
epistemológica deste estudo abarca o agir humano em desenvolvimento caracterizado
como um sistema adaptativo complexo. Sendo que, a partir das práticas de nível mais
baixo, mas não menos complexas, os comportamentos acabam por emergir. Assim, os
interagentes desenvolvem comportamentos observáveis que emergem das condições
iniciais, encaminhando-se às manifestações de auto-organização. O agir humano situado
na plataforma, assim como as práticas situadas por meio de tipos específicos de
discursos (BRONCKART, 1999) estão entendidos como geradores de movimentos de
complexidade. As relações discursivas tecnologicamente situadas foram observadas
quanto à forma como os interagentes se adaptavam ao contexto discursivo. A partir das
interações analisadas, elencaram-se, então, tipos de discurso e foram propostos quatro
tipos de Movimentos de Complexidade que emergiram das interações discursivas:
Movimento 1 – Dinamicidade discursiva entre interagentes; Movimento 2 – Não-
linearidade interacional; Movimento 3 – Adaptação de agentividade (espaço-tempo) e
Movimento 4 – Comportamento emergente. A análise do agir linguageiro, situado por
meio de tipos de discurso identificados, apresentou baixo índice de variação da escrita
em linguagem formal; como era de se esperar, dado o caráter formal da troca entre
pares. O estudo permitiu evidenciar que os tipos de discurso se adaptam na medida em
que os interagentes passam por mudanças interacionais de fases co-construídas em
processo, alternando entre os tipos de discurso relato interativo e relato misto interativo-
teórico pela ausência do discurso teórico.

Palavras-chave: Agir linguageiro. Interações. Sistemas Complexos Adaptativos.
Ambiente virtual de Aprendizagem. Educação à Distância.

Postado por admmkt sfevereiro - 6 - 2012 0 Comentário

Banca de Dissertação – Mestrado

Aluna: Tatiane Rosa Carvalho

Título: “O TRABALHO INTERACIONAL DE PROVIMENTO DE JUSTIFICATIVAS NO DISQUE SAÚDE (AIDS)”

Data: 15 de março de 2012
Horário: 14h
Local: 3A 301

Comissão Examinadora:
Profa. Diana de Souza Pinto (UNIRIO)
Profa. Dra. Terezinha Marlene Lopes Teixeira (UNISINOS)
Profa. Dra. Ana Cristina Ostermann (Orientadora)


O TRABALHO INTERACIONAL DE PROVIMENTO DE JUSTIFICATIVAS
NO DISQUE SAÚDE (AIDS)

Tatiane Rosa Carvalho

RESUMO

O presente estudo vincula-se a um projeto de pesquisa maior (OSTERMANN, 2010)
que visa a compreender como moralidade e momentos delicados na saúde da mulher são
construídos na e pela interação. Essa dissertação analisa interações gravadas em uma
central de teleatendimento do Ministério da Saúde, o Disque Saúde. Os dados analisados
consistem especificamente em ligações de usuárias mulheres, cujas dúvidas circunscrevem-
se à Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida (AIDS). Os dados foram transcritos
de acordo com as convenções propostas por Jefferson (1984) e analisados através da
abordagem teórico-metodológica da Análise da Conversa (SACKS, 1992) e da Análise
de Categorias de Pertença (SACKS, 1992). Analisamos como e quando as usuárias
prestam contas de suas ações, em particular, oferecendo justificativas às/aos atendentes.
Propomos uma nova classificação para o estudo desse fenômeno em justificativas
sequencialmente relevantes e justificativas não sequencialmente relevantes. Ambos os
tipos de justificativas parecem relacionadas a questões morais; no entanto, realizam ações
distintas nas interações. Enquanto as justificativas sequencialmente relevantes prestam
contas acerca de: 1) motivo(s) da ligação; 2) dúvidas; e 3) recusas a ofertas de informação
feitas pela/o atendente, as não sequencialmente relevantes prestam contas de: 1) meio de
contaminação da usuária pelo vírus HIV ou exposição a fatores de risco de contaminação;
2) comportamento sexual da usuária; e 3) estado emocional da usuária. As justificativas não
sequencialmente relevantes apontam para moralidade(s) não explicáveis a partir da análise
sequencial proposta pela Análise da Conversa; também sugere a realização de “trabalho
moral” (DREW, 1998) , bem como negociação de pertencimento a categorias como mulher
e esposa, e a associação a predicados usualmente associados a essas categorias. Nossos
dados tornam evidente que a vulnerabilidade da mulher ao HIV não é apenas biológica
(visto que a infecção da mulher pelo homem é mais provável que o oposto), mas também
social. Embora a AIDS tenha afetado todas as classes sociais, as mulheres mais pobres são
as que têm menos condições de mudar as situações que as colocam sob risco de contágio.

Palavras-chave: Fala-em-interação. Análise da Conversa. Análise de Categorias de
Pertença. Justificativas. Saúde da Mulher.